50 crianças morrem por dia na Somália, um país devastado pela seca e pela fome, onde é necessária ajuda urgente para 11 milhões de pessoas.

As Nações Unidas estão a providenciar a ajuda internacional, mas, pelo menos para já, a água e os alimentos estão a chegar ao terreno a conta-gotas.

A ONU só consegue chegar a dois milhões de habitantes. Além disso, as guerrilhas não deixam os trabalhadores humanitários aproximarem-se das vítimas.

Alguns médicos, que não querem ser identificados, afirmaram ter visto mães que tiveram que escolher quais os filhos que carregariam até ao campo de refugiados mais próximo. Muitas ficaram com a criança mais forte e os mais débeis foram deixados para trás.

Para além da Somália, também o Quénia, a Etiópia, a Eritreia e o Sudão do Dul enfrentam a maior seca dos últimos 60 anos.
Redação / Isabel Semedo, TVI