A TVI visitou o maior armazém de distribuição de comida aos refugiados no Quénia, onde milhares de somalis recebem ajuda humanitária.

«Estão a receber trigo, milho, feijão, nutrientes enriquecidos, óleo vegetal e açúcar», conta o responsável pela logística do campo, Joses Mottegi.

«Eles não lutam por comida. Lutam porque querem ser servidos ao mesmo tempo. A estrutura do campo de Dagahali está preparada para servir 40 mil, agora temos 126 mil a serem ajudados. Eles ficam muito tempo na fila e ficam cansados», acrescentou.
Redação / Sérgio Furtado, no Quénia