A Comissão de Estupefacientes da ONU comprometeu-se quinta-feira, em Viena, a combater o problema mundial da droga centrando os esforços no tratamento aos toxicómanos e na sua reinserção na sociedade, escreve a Lusa.

Depois do fracasso do último plano aprovado em 1998, as delegações ministeriais da Comissão de Estupefacientes, reunidas desde quarta-feira na sede vienense das Nações Unidas, reconheceram também «uma responsabilidade partilhada» na luta contra a droga e apelaram para uma «abordagem equilibrada e completa» do problema, numa declaração conjunta.

Esta declaração, redigida depois de meses de discussões difíceis, segundo uma fonte diplomática europeia, insiste que se ponha «a saúde na base da política internacional contra a droga».

A ferramenta mais preciosa

«Será uma ferramenta preciosa para activar os esforços nacionais e reforçar a cooperação internacional» contra este flagelo mundial, sublinhou a presidente dos debates, Libertina Amathila, vice-primeira ministra da Namíbia.

Além da declaração política, que alguns países europeus gostariam de ter visto mais fortemente centrada na «redução dos danos», nomeadamente em matéria dos direitos humanos e de outras consequências nocivas do consumo e tráfico de estupefacientes, a Comissão de Estupefacientes aprovou um plano de acção.

Este plano propõe trinta soluções em seis domínios, incluindo a redução do abuso de drogas, da dependência, a limitação dos tráficos ilegais passando pela redução da produção e da luta contra o branqueamento do dinheiro da droga.

Reinserção dos toxicómanos

O novo plano de acção acentua também o papel da reinserção dos toxicómanos na sociedade através de programas especiais de readaptação. Insiste igualmente na prevenção, para evitar que os jovens sucumbam aos estupefacientes, nas terapias de substituição, ou nos programas de fornecimento de seringas para limitar as infecções do tipo HIV/Sida.

Estes novos documentos, não vinculativos juridicamente, substituem o plano das Nações Unidas de 1998 que visava reduzir o consumo e o tráfico de droga em dez anos e que fracassou em larga medida, segundo um estudo independente.

Segundo a ONU, o tráfico de drogas representa actualmente um comércio de cerca de 300 mil milhões de dólares por ano.
Redação / PP