Um alemão foi detido pela polícia italiana por várias fraudes, entre as quais a tentativa de «venda» dos escritórios da agência da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO) e o edifício da embaixada dos Estados Unidos em Roma.

A imprensa italiana deste domingo dá destaque a este assunto, referindo que contra Wolfang Kroll, 57 anos, impendia uma ordem de captura internacional emitida pela justiça alemã por fraude e utilização de falsos documentos.

Na altura da detenção, a polícia descobriu que o vigarista já tinha fechado a venda a uma grande agência imobiliária com sede no Mónaco de dois grandes centros comerciais em Itália, um em Roma e outro em Milão, que nem sequer estavam à venda e pelos quais já tinha embolsado 650 mil euros a título de adiantamento.

Nesta transacção, era dada à imobiliária do Mónaco a opção de compra da sede da FAO e do edifício da embaixada dos Estados Unidos na capital italiana.

O vigarista alemão fazia-se passar, com falsos documentos, por emissário do Ministério do Interior italiano, responsável pela venda de propriedades do Estado.

Este caso fez recordar em Itália a mítica cena do filme «Tototruffa 62», em que o actor napolitano Totó vende a Fonte de Trevi a um turista dos Estados Unidos.