A federação holandesa de ginástica anunciou a interrupção do programa de preparação da equipa feminina para os Jogos Olímpicos Tóquio2020, para investigar os métodos de alguns dos seus treinadores, que foram afastados temporariamente após queixas por supostos abusos.

"Os treinadores envolvidos [Vincent Wevers e Gerben Wiersma] não terão um papel ativo no programa de treino de elite durante a investigação", indicou a federação, em comunicado.

A suspensão foi tornada oficial dias depois da ex-ginasta Joy Goedkoop assegurar, em declarações à televisão pública NOS, que foi alvo de "pontapés e socos" por parte de Vincent Wevers, atual treinador da equipa nacional.

“Eu simplesmente não o vejo como um ser humano. Não podia expressar emoções, sentimentos, dor ou fadiga. Na verdade, tinha de funcionar como uma máquina", acrescentou Joy Goedkoop sobre Wevers.

Outras ex-colegas de equipa de Goedkoop, como Loes Linders e Stephanie Tijmes, também denunciaram abusos por parte equipa técnica da seleção.

Por sua vez, o ex-técnico Gerrit Beltman reconheceu, em uma entrevista, que teve "comportamentos injustificáveis" com membros da equipa feminina de ginástica.

"Nunca tive a intenção consciente de bater, insultar, aleijar ou menosprezar, mas essas coisas aconteceram", disse Beltman, ao jornal ‘Noordhollands Dagblad’.

Após a entrevista, algumas antigas ginastas entraram em contacto com a federação para denunciar, anonimamente, supostos abusos por "membros atuais da equipa técnica", confirmou o organismo, acrescentado que as medidas definitivas contra as pessoas em causa vão ser anunciadas quando a “natureza das alegações” for esclarecida.

/ AM