O presidente russo, Vladimir Putin, inaugurou esta terça-feira a ponte que liga a Rússia à península da Crimeia, anexada pela Rússia à Ucrânia em 2014, com as autoridades de Kiev a acusarem-no de “desrespeito” ao direito internacional.

Segundo se pode ver na televisão russa, que transmitiu a cerimónia em direto, ao volante de um camião pesado cor-de-laranja, Putin atravessou, às buzinadelas, os 19 quilómetros da nova “Ponte da Crimeia”, que liga a península de Taman, no sul da Rússia, à homónima ucraniana de Kertch, na Crimeia, anexada pela Rússia em março de 2014.

Atrás do camião conduzido por Putin, viatura utilizada nos trabalhos de construção da ponte, e acompanhado por vários trabalhadores, seguiu cerca de uma dezena de outros camiões e automóveis ligados às obras, às autoridades e à segurança da Rússia.

Em Kiev, o primeiro-ministro ucraniano, Volodymyr Groisman, reagiu de imediato e acusou a Rússia de “desrespeito ao Direito Internacional” pela construção e inauguração da nova ponte.

O ocupante russo (…) continua a desrespeitar o Direito Internacional. A Rússia vai pagar bem caro”, ameaçou o chefe do executivo de Kiev.

Vestido informalmente, de jeans e com um blusão preto, Putin chegou a Kertch procedente de Sochi, também nas margens do mar Negro.

A construção da nova ponte começou em fevereiro de 2016 e custou 228 mil milhões de rublos (cerca de 3.000 milhões de euros ao câmbio atual).

A ponte inclui quatro faixas para automóveis (duas em cada direção), que serão abertas ao tráfego a partir das 00:00 de quarta-feira, e duas vias férreas, uma em cada sentido, cujas obras deverão estar concluídas em finais de 2019.

A construção da ponte para ligar a Crimeia à Rússia continental sem passar por território ucraniano foi uma das promessas de Putin após a anexação da península.