O prefeito da cidade brasileira de Itajai, no estado de Santa Catarina, afirmou que a cidade deverá adotar a aplicação de ozono por via retal como medida de tratamento contra o novo coronavírus.

Segundo o prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, que também é médico, o tratamento poderá ser usado em pacientes com sintomas da Covid-19, em até 10 sessões.

É uma aplicação simples, rápida, de dois ou três minutinhos por dia, provavelmente vai ser uma aplicação via retal. É uma aplicação tranquilíssima, rapidíssima de dois minutos com cateter fino, e isso dá um resultado excelente", disse Morastoni durante uma transmissão ao vivo na rede social Facebook, na segunda-feira.

Não há estudos científicos que comprovem a eficácia ou segurança deste tipo de terapia contra a Covid-19 nem recomendação de autoridades de saúde brasileiras nesse sentido.

No Brasil, a ozonioterapia só é permitida em estudos experimentais e o seu uso requer a aprovação de protocolos junto do Comité de Ética em Pesquisa do Ministério da Saúde.

O prefeito de Itajaí adiantou que já pediu ao Ministério da Saúde que a cidade faça parte de um protocolo de pesquisa sobre a ozonioterapia no combate ao novo coronavírus e disse que o município poderá ter um laboratório de ozónio.

Com isso, nós vamos ser autorizados a ter um laboratório de ozónio. Já estamos definindo o local […] Vamos explicar depois detalhadamente como será aplicação para casos positivos [de covid-19]", afirmou Morastoni.

Segundo o prefeito de Itajaí, a cidade registou até segunda-feira 3.648 casos e 105 mortes provocadas pela pandemia.

Além da ideia sobre a ozonioterapia, as autoridades da cidade também estão a fornecer tratamento com cânfora, com o medicamento contra vermes ivermectina e com o antibiótico azitromicina.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 2,7 milhões de casos e 94.665 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 694 mil mortos e infetou mais de 18,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

/ Publicado por MM