Foi registada esta segunda-feira a primeira morte em Pequim devido ao coronavírus. A notícia está a ser avançada pela AFP e citada pela France24.

De acordo com a comissão de saúde de Pequim, citada pela agência de notícias francesa, a vítima é um homem de 50 anos que teria visitado o centro da cidade de Wuhan, o epicentro do surto, no dia 8 de janeiro. O homem apresentou sintomas de febre ao regressar a Pequim, sete dias depois.

A vítima deslocou-se ao hospital no dia 21 de janeiro, onde acabou por morrer de paragem respiratória esta segunda-feira.

A China tinha elevado esta segunda-feira para 80 mortos, antes de ser anunciado este caso em Pequim, e mais de 2.700 infetados, o balanço de vítimas do novo coronavírus detetado no final do ano em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

Entre os casos de infeção referenciados até à data pelas autoridades, 80 foram registados em Pequim, cidade com 20 milhões de habitantes.

Além do território continental da China, também foram reportados casos de infeção em Macau, Hong Kong, Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Camboja, Nepal, Malásia, França, Austrália e Canadá.

As autoridades chinesas, que já admitiram que a capacidade de propagação do vírus se reforçou, decretaram restrições drásticas de viagens em todo o país para tentar conter a propagação do surto.

Wuhan, cidade com 11 milhões de habitantes, está em quarentena e isolada do mundo desde a passada quinta-feira.

A maioria das lojas de comércio em Wuhan está encerrada e está proibida a circulação de veículos não essenciais.

Pequim, por sua vez, interrompeu a circulação de autocarros de longa duração de ou para a capital chinesa.

/ RL