A ativista sueca Greta Thunberg arrasou os líderes mundiais e a sua inação perante a crise climática. As duras palavras foram proferidas durante a sua intervenção na Youth4Climate, terça-feira, em Milão, evento que junta centenas de jovens de todo o mundo e que antecede a conferência das Nações Unidas COP26, que se vai realizar no Reino Unido.

O primeiro-ministro britânico foi, precisamente, um dos visados, com Greta Thunberg a referir-se a termos já utilizados por Boris Johnson.

Não existe Planeta B, não existe Planeta blá-blá-blá... Não se trata de um ato ecológico politicamente correto e caro com coelhos a abraçarem-se... blá-blá-blá... 'reconstruir melhor', blá-blá-blá... 'economia verde', blá-blá-blá... Emissões zero em 2025, blá-blá-bla... neutralidade carbónica em 2050, blá-blá-blá... neutralidade climática, blá-blá-blá... É isto que ouvimos dos nossos chamados líderes. Palavras, palavras que soam bem, mas que até agora não resultaram em qualquer ação", acusou a ativista, de 18 anos.

Para Greta Thunberg, até agora, os líderes mundiais limitaram-se a "palavras e promessas vazias".

"São 30 anos de blá-blá-blá", sublinhou, lembrando que a "mudança não só é possível como necessária".

Os chamados líderes mundiais escolhem jovens para encontros como estes para fingir que nos estão a ouvir, mas eles não estão a ouvir", lamentou

As centenas de jovens de 190 países presentes no encontro vão apresentar propostas para o combate à crise climática, propostas essas que serão entregues aos ministros da Energia que também estão reunidos em Milão, para a pré-COP26. As melhores seguirão para discussão na cimeira das Nações Unidos, que terá lugar em novembro, em Glasgow, na Escócia.

Veja também:

Catarina Machado