As chuvas torrenciais registadas nas últimas 24 horas na província de Henan, no centro da China, inundaram a capital, Zhengzhou, e obrigaram à retirada preventiva de mais de 10.000 pessoas, noticiou esta terça-feira o diário estatal China Daily.

Zhenghzou, uma enorme metrópole situada a cerca de 700 quilómetros a sudoeste de Pequim, foi terça-feira colocada em alerta vermelho – o mais elevado nível de alerta meteorológico na China – devido à forte precipitação que paralisou a cidade e fez pelo menos três mortos.

Segundo o China Daily, mais de 144.000 pessoas foram afetadas pela chuva que em Zhengzhou atingiu uns históricos 457,5 milímetros em 24 horas, um número sem precedentes nos últimos 60 anos, desde que há registos.

Em particular, entre as 16:00 e as 17:00 locais desta terça-feira (09:00 e 10:00 em Lisboa), ou seja, numa hora, a precipitação alcançou os 201,9 milímetros.

“Esta chuva vê-se uma vez em cem anos. A situação é desanimadora”, indicou o centro de controlo de inundações de Zhengzhou.

A televisão nacional CCTV divulgou imagens de ruas da cidade submersas por uma imensa corrente de água lamacenta, enquanto habitantes com água pelos joelhos empurravam os seus veículos por artérias inundadas.

Os vídeos que circulam nas redes sociais mostram ruas alagadas, avenidas que parecem rios, e mesmo carruagens de metro com passageiros lá dentro com mais de um metro e meio de altura de água.

De acordo com a agência de notícias estatal Xinhua, os bombeiros estão a conseguir reduzir o nível da inundação nos túneis do metro e nas composições afetadas da linha 5 da cidade, e os viajantes estão, por agora, fora de perigo.

A mesma fonte referiu que a chuva torrencial deixou vários edifícios residenciais sem água e eletricidade, além de ter obrigado ao cancelamento de 260 voos no aeroporto local.

“As fortes inundações levaram, na prática, à paralisação do trânsito rodoviário da cidade. Mais de 80 linhas de autocarro foram suspensas”, indicou a Xinhua, acrescentando que também o serviço ferroviário foi em grande medida afetado.

Segundo o Diário do Povo, a intempérie causou o desabamento de habitações e pelo menos uma pessoa morreu e outras duas estão desaparecidas, e a imprensa local noticiou a morte de mais duas pessoas, em consequência do desabamento de um muro, mas não há ainda qualquer balanço oficial do número de vítimas.

Os danos materiais são, até agora, da ordem de vários milhões de euros, estimaram esta terça-feira as autoridades locais da província de Henan.

Todos os verões há inundações na China, devido às chuvas sazonais.

No ano passado, os níveis das cheias no sudoeste do país bateram recordes, destruindo estradas e obrigando dezenas de milhares de habitantes a abandonarem as suas casas.

/ NM