O Zimbabué é um dos países onde a população de elefantes africanos existe em maior número, mas a situação pode não durar muito mais tempo. Ali, elefantes bebés são retirados às mães, ainda à nascença, e enviados para jardins zoológicos um pouco por todo o mundo.

A situação é denunciada pela organização Humane Society International, que fala em mais de 30 crias que foram exportadas no último mês para a China.

Arrancar estes elefantes às mães e vendê-los para jardins zoológicos da China é uma tragédia absoluta", afirma a organização no Facebook.

Ouvida pela CNN, a Zimparks (Autoridade de Gestão da Vida Selvagem e dos Parques Nacionais do Zimbabué) rejeita que os animais sejam maltratados, acrescentando que estas denúncias são "ficção".

As pessoas agem como se nós não amássemos estes animais, dizem que estamos a abusar deles. Não é verdade, porque estamos a cuidar muito bem dos nossos animais", afirmou o porta-voz da Zimparks, Tinashe Farawo.

A Zimparks não nega o envio dos elefantes, mas refere que todas as transações são feitas de forma legal.

Já enviámos animais para os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia. Não é um fenómeno neste país. As pessoas devem olhar para isto de forma científica e perguntar pelos factos, não pelas emoções", acrescentou Tinashe Farawo.