A jovem que aparece, enquanto criança, no meme “Disaster Girl” (em português, rapariga desastre) vendeu a foto original por 473 mil dólares, equivalente a cerca de 392 mil euros.

Zoe Roth, que agora tem 21 anos, e ficou famosa no mundo virtual por ser a menina com olhar maquiavélico que surge em frente a um edifício em chamas, numa fotografa.

Zoe está agora na universidade e decidiu vender a foto original do meme como NFT, um token não fungível, metodologia que tem vindo a ganhar popularidade no mercado de arte digital durante a pandemia de covid-19.

NFT são tokens digitais não fungíveis que podem ser negociados e transacionados através via blochchain, rede pela qual se regem várias criptomoedas como a bitcoin e ethereum. Simplificando, os NFT são uma espécie de certificado digital que define a originalidade e exclusividade de bens digitais, quer sejam fotos, vídeos, músicas, “posts” ou obras de arte.

A jovem decidiu transformar a foto do meme num NFT depois de, em fevereiro, ter recebido um e-mail que a alertava para o valor significativo deste bem.

A fotografia foi capturada em janeiro de 2005, quando Zoe e a sua família viviam perto de um quartel de bombeiros, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

No meme que ficou mundialmente conhecido, pode ver-se a corporação a efetuar um exercício de preparação e não um cenário de um incêndio real.Em março, o artista digital Beeple já tinha vendido o NFT da obra “Everydays” por 68 milhões de dólares na famosa leiloeira Christie’s.

Nuno Mandeiro