O FC Porto goleou esta noite o Belenenses SAD por 5-0 e manteve o rival Benfica a seis pontos, quando faltam apenas quatro jornadas.

Os dragões garantiram desde já o segundo lugar, que para já dá acesso à pré-eliminatória da Champions, e podem até sagrar-se campeões na próxima jornada, caso vençam em Tondela e o Benfica perca em Famalicão.

Se o FC Porto da primeira parte foi nervoso, o da segunda foi deslumbrante: sobretudo quando Luis Díaz e Fábio Vieira entraram em campo. Duas estrelas cheias de talento cobriram a noite de azul e iluminaram o caminho para o título.

Ainda assim, os dragões entraram estremunhados ao som do apito, talvez pelo início tardio de um jogo às 21h30 de um domingo à noite… Os primeiros 20 minutos foram de maior perigo do Belenenses SAD, que mudou sete jogadores no onze, não teve guarda-redes suplente e se apresentou em campo com uma linha de cinco homens na retaguarda, que muito de quando em vez se desdobrava para o contra-ataque.

Até que, a meio da primeira parte, o FC Porto (com Sérgio Oliveira no lugar de Danilo como única alteração) acordou de um jogo com som de treino, mas ritmo mais elevado do que nas últimas jornadas.

A previsibilidade de demasiados cruzamentos para a área acabou com um centro direitinho para a cabeça de Soares, que aos 31m acabou com uma longa espera de cinco meses sem marcar e abriu o marcador.

Uribe quase acabava com um jejum ainda maior logo a seguir: marcaria aquele que esteve quase para ser o seu primeiro golo pelo FC Porto, mas as imagens do VAR descobriram-lhe uma mão que anulou o lance.

Assim sendo, o líder entrou na segunda parte com vantagem pela margem mínima. Não tremeria, porém, o dragão, que em vantagem mostrou um jogo cada vez mais desenvolto.

Apareceu o futebol apoiado, o jogo interior e… Corona. Numa assistência notável, o mexicano isolou Marega, que fez o segundo e tingiu a noite de azul vivo.

Daí em diante, o FC Porto soltou-se em definitivo e cavalgou para a goleada. Sérgio Conceição mexeu bem na equipa lançou Luis Díaz e Fábio Vieira. Ambos fizeram a diferença e estiveram nos três derradeiros golos. O colombiano conquistou um penálti, após Fábio Vieira, que Telles converteu, consolidando-se como melhor marcador portista na Liga, com 10 golos. Mais tarde, Díaz fecharia a contagem com um lance genial, que termina com uma bomba a bater Koffi.

Já Fábio Vieira… Bem, o miúdo também promete ser um caso sério. Em meia-hora em campo, explanou todo o seu talento em campo. Tentou o golo logo mal entrou e alcançou-o num livre superiormente marcado.

Goleada por cinco e seis pontos de vantagem com quatro jornadas por disputar.

O FC Porto fez jus à receção apoteótica de centenas de adeptos antes do jogo e que continuou com buzinas nas imediações do estádio já após o apito final.

Sérgio Conceição alertou para a «distração» de falar em título na antevisão deste jogo. Pois, se o FC Porto da primeira parte parecia acusar a pressão, o da segunda apareceu com toda a pose de campeão, prometendo uma caminhada triunfal pela frente.

Vale a pena repetir: o título pode até chegar na próxima jornada. No início da segunda volta, alguém acreditaria?

Sérgio Pires / Estádio do Dragão, Porto