O secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, exortou este sábado o PSD a desistir da “política de casinhos”, acrescentando ser a hora de a oposição apresentar “alguma proposta viável para o futuro país”.

Não chega criticar, não chega falar mal, não chega procurar casos e casinhos na vida pública. Já é tempo de a oposição apresentar alguma proposta que se possa considerar viável para o futuro do país”, afirmou o dirigente socialista, em Baião, onde desempenha o cargo de presidente da assembleia municipal.

José Luís Carneiro discursava naquele concelho do interior do distrito do Porto, na apresentação da recandidatura de Paulo Pereira à presidência da câmara municipal, pelo PS.

Ainda com a oposição como alvo do seu discurso, Carneiro insistiu não ser com “a política de casos que [os partidos da oposição] conseguem chegar à confiança dos portugueses”.

Só se afirma uma alternativa, quando há um objetivo estratégico para um país ou para um município. Só há uma alternativa quando, a partir das pessoas e com elas, se constrói uma visão para o futuro”, acentuou o número dois de António Costa no Partido Socialista, prosseguindo:

“Agora que estamos a abordar, pela primeira vez, a nova proposta de Orçamento do Estado para o ano que vem, agora que vamos ter o Plano de Recuperação e Resiliência, o novo quadro financeiro plurianual que, no conjunto, representa 40 mil milhões de euros para investir no reforço das unidades de cuidados de saúde, para investir na escola pública, para reformar e modernizar o Estado, para modernizar as empresas, para modernizar a economia, é fundamental que o principal partido da oposição seja capaz de apresentar uma proposta política ao país credível e alternativa”.

Carneiro acusou, depois, o PSD de “falta de coerência” na questão do IVA da restauração, a propósito das recentes declarações do líder social-democrata.

Numa entrevista ao semanário Expresso, Rui Rio disse que se estivesse no Governo reduzia o IVA da restauração dos atuais 13% para 6% durante os próximos dois anos, “dado que a restauração foi um dos setores mais massacrados” pela pandemia de covid-19, e considera que há eleitoralismo numa abertura total do país antes das autárquicas de 26 de setembro.

No discurso de hoje em Baião, o dirigente do PS comentou: “Eles [PSD] que estiveram contra a redução do IVA de 23% para 13% na restauração vieram ontem [sexta-feira] defender que, afinal, agora deviam reduzir de 13% para 6%. É a falta de coerência da oposição, a falta de uma visão estratégica para o país, que fazem com que o PS continue a merecer a confiança da maioria dos portugueses e o primeiro-ministro continue a ser merecedor da confiança da generalidade dos portugueses”.

O secretário-geral adjunto socialista aludiu, também, aos mais recentes dados da economia nacional: “Ontem, os dados mostravam que tínhamos tido um crescimento de quase cinco por cento da nossa economia e, sinal mais importante do que se tem vindo a passar, conseguimos que a taxa de desemprego tenha chegado aos 6,9%, ou seja, estamos com uma taxa de desemprego inferior à que tínhamos em 2007 e 2008”.

Carneiro concluiu que aqueles indicadores constituem “a prova mais evidente de que as políticas adotadas pelo Governo surtiram os seus efeitos e a confiança dos investidores no país está de novo a regressar”.

Agência Lusa / AG