O guarda-redes Cássio aceitou o pedido de desculpas do empresário de futebol César Boaventura e desistiu da queixa por difamação e o respetivo pedido de indeminização devido a suspeitas levantadas no jogo entre FC Porto e Rio Ave (23.ª jornada da Liga), a 18 de fevereiro de 2018.

O acordo foi alcançado no passado dia 11 de abril, mas só hoje foi validado pelo juiz numa sessão que decorreu no Tribunal de Esposende, segundo apurou o Maisfutebol junto do advogado do jogador.

Neste documento, o empresário assume que «nunca pretendeu ofender ou pôr em causa o profissionalismo e honradez» do atleta, afirmando «ter a certeza» que o ex-jogador ex-Rio Ave, atualmente no Al Taawon, da Arábia Saudita, «jamais aceitaria receber dinheiro ou qualquer outra compensação para prejudicar a sua equipa».

Boaventura comprometeu-se a publicar o teor do acordo na sua página de Facebook, algo que fez antes da validação por parte do juiz.

Em virtude do pedido de desculpas público, Cássio aceitou retirar a respetiva queixa, tendo o empresário assumido o compromisso de pagar todas as custas judiciais do processo.

De referir que, confirmou o Maisfutebol, este acordo nada tem que ver com o testemunho de Cássio noutro processo, em que o então guarda-redes do Rio Ave afirmou em tribunal que César Boaventura o tentou subornar antes de um jogo contra o Benfica, a troco de 250 mil euros, em março de 2016.

Leia os termos do acordo:

Sérgio Pires