Thomas Tuchel, treinador do Chelsea, em declarações na sala de imprensa do Sánchez Pizjuán, após a derrota contra o FC Porto que ainda assim, permitiu a passagem da sua equipa às meias-finais da Liga dos Campeões:

«Fizemos o que era necessário esta noite e acho que merecemos passar às meias-finais. Foi um jogo duro e talvez não tenha sido o melhor para ver na televisão. De fora acho que foi um jogo rápido e intenso. Foi uma luta dura e tivemos de trabalhar muito para escapar à pressão contrária. Eles jogaram de forma fluída e agressiva com várias trocas posicionais. Tivemos de nos adaptar a esses movimentos. 

Com o passar dos minutos, fomos melhorando. No geral estou satisfeito pela forma como defendemos e gerimos este jogo complicado. Houve muito trabalho e não havia cá ninguém para aplaudir um desarme. Senti que não estávamos em perigo, mas ao mesmo tempo sentia-me nervoso porque no futebol tudo pode mudar. Pode ser um golo louco, um ressalto ou um pontapé de bicicleta. Pode acontecer não importa o quão bem defendas. 

O FC Porto é uma equipa muito dura para defrontar. Eles são muito físicos, lutam por cada bola. Eles são emocionais, põem pressão sobre a tua equipa. Não tens dois minutos para pensar o jogo. Parte do nosso jogo é neutralizar os adversários. Foi o que eles fizeram e o que nós fizemos. A equipa mostrou intensidade, esforço e espírito de grupo. Quando não tens muita experiência, visto que a equipa é jovem, tens de ter união e de lutar. Merecíamos sair daqui sem sofrer golos. Quando trabalhas e transpiras muito, não podes estar nervoso. Temos jogos duros de três em três dias.

[Ausência de Kovacic]: «Ele sofreu uma lesão muscular. Ele está fora do jogo contra o City, é uma grande perda. Foi triste para o Kovacic. Não temos muitos jogadores com experiência de Liga dos Campeões. Quando soa o hino, Kovacic geralmente está relaxado, mas ao mesmo tempo é um grande lutador.

Kanté? Corremos riscos em utilizado, mas era o momento de o fazer. N'Golo é incrível. É como ter mais um jogador em campo. Todos os que o conhecem pela primeira vez, adoram-no. Toda a minha família adora quando vê os nossos jogos. É bom tê-lo de volta. Ele recupera tantas bolas e dá muita confiança a todos

Temos uma equipa muita jovem. Os jovens são capazes de lutar, de correr e gostam de aventuras. Espero que continuemos aventureiros e que aceitemos qualquer desafio. É um grande feito chegar às meias-finais. Não estamos habituados a estar numa fase tão adiantada da prova. Precisamos de cada minuto para aprender e crescer. Não podes melhorar sem estas grandes experiências. Estamos a fazê-lo enquanto jogamos.»



  

 
Sérgio Pires / Enviado especial do Maisfutebol a Sevilha