Após o jogo contra o Chelsea, Sérgio Conceição revelou ter sido insultado por Thomas Tuchel. Na sala de imprensa do Sánchez Pizjuán, o técnico do FC Porto explicou o que aconteceu com o homólogo dos londrinos.

«O meu inglês não é perfeito. Não adianta estar a falar disso. Não houve troca de palavras, tive preocupado e concentrado no jogo. Não entendi o porquê da reação. Ouvi alguns insultos, não é bonito, mas isso já passou. A minha irritação no final tinha a ver com isso porque não lhe dirigi a palavra sequer durante o jogo, não olhei para o banco deles, mas sim para o jogo. Estava preocupado com o jogo e com o que estávamos a fazer no mesmo», esclareceu, em conferência de imprensa.

Conceição recusou a ideia de que tenha arriscado demasiado tarde, lembrando a qualidade do adversário. 

«Estávamos a jogar contra o Chelsea, não contra uma equipa banal. É uma equipa cheia de jogadores que de um momento para o outro fazem a diferença e decidem um jogo. A estratégia passava por a equipa se sentir confortável no que era o jogo, ter coesão. Sabia que se tivéssemos comportamento dentro do que foi planeado estrategicamente, iríamos fazer golo e não íamos permitir situações ao Chelsea. Foi o que aconteceu. Só me lembro de uma situação, na parte final, que o Marche resolveu bem. Nestes 180 minutos, criámos mais situações de golo, criámos mais perigo e fomos mais equipa. Não tenho a menor dúvida. Por isso, a frustração é grande. Não se pode prever o que um ou outro jogador no lugar de outro poderia fazer no jogo. Temos de ter consciência de que estamos a disputar a melhor prova de clubes do mundo e está reduzida a grandíssimas equipas. Temos de estar orgulhosos. Arrisco-me a dizer que foi dos melhores jogos que nós, como equipa, fizemos na Liga dos Campeões, ou até mesmo o melhor», referiu. 

 

Sérgio Pires / Enviado especial do Maisfutebol a Sevilha