Foi um empate com sabor muito amargo! O Sporting de Braga não foi além de um empate na receção ao campeão eslovaco, o Slovan Bratislava. A equipa de Ricardo Sá Pinto mandou no jogo, dispôs das melhores ocasiões, mas o futebol é feito de golos.  Os guerreiros marcaram dois e ofereceram outros tantos, para satisfação da formação visitante.

Bruno Viana destacou-se pela positiva e pela negativa: apontou o primeiro golo dos bracarenses, porém cometeu uma grande penalidade e ainda fez um autogolo. O empate castiga a falta de eficácia da equipa portuguesa a fortuna que Slovan trouxe da Eslováquia: pouco atacou, mas marcou dois golos. Bracarenses e eslovacos dividem a liderança do grupo K, com quatro pontos.

O Slovan Bratislava entrou no encontro cheio de força, empurrando os bracarenses para o último reduto. Contudo, o Sporting de Braga aos poucos foi sacudindo a pressão e a partir do quarto de hora começou a mandar no jogo.

Os bracarenses criaram várias ocasiões de perigo, porém estavam a claudicar na hora de atirar à baliza. Teve de ser um defesa a dar o exemplo: Bruno Viana saiu lá de trás e foi à área cabecear para golo. Grande testada desde o terceiro andar para o fundo das redes.

Os eslovacos tentaram reagir, mas os guerreiros tinham, aparentemente, a partida controlada. No entanto, já em tempo extra, Bruno Viana cometeu um erro à entrada da área, falhando o corte, e acabou por rasteirar Sporar na área. Na transformação da grande penalidade, o avançado eslovaco não perdoou e fez a igualdade.

Eduardo ainda defendeu o primeiro remate, mas nada pôde fazer para travar a recarga. Por isso, ao intervalo o empate castigava a falta de eficácia dos guerreiros e premiava o melhor aproveitamento do Slovan.

No reatamento, os bracarenses entraram cheios de vontade de repor a justiça no placard. Começaram a pressionar alto, a recuperar muitas bolas e a encostar os eslovacos às cordas. Só descansaram quando chegaram ao golo. E que golo. O momento do jogo, que valeu por tudo. Galeno, da quina da área, rematou em arco para o fundo das redes e deu tranquilidade aos minhotos.

Mesmo a ganhar, a formação da terra dos arcebispos continuou a pressionar a procurar o golo do descanso. Todavia, a justiça no futebol faz-se com golos e o Slovan Bratislava incomodou poucas vezes a baliza de Eduardo, mas quando o fez, não perdoou. Ou então contou com a preciosa ajuda de Bruno Viana, que acabou por ser novamente infeliz e fazer o autogolo que deu o empate.

Até ao final os guerreiros tentaram chegar à vantagem, contudo quase sempre com muito coração e pouca cabeça.

Nuno Dantas