Emanuel Ferro, adjunto de Rúben Amorim, em conferência de imprensa, depois da vitória sobre o Aberdeen (1-0), no Estádio de Alvalade, em jogo da terceira pré-eliminatória da Liga Europa:

[O Aberdeen entrou no jogo com mais jogos e mais ritmo, o Sporting estava preparado para isso?]

- Parece-nos que a equipa com mais jogos, naturalmente, tem essa vantagem, mas não vejo que isso se tenha notado no ritmo competitivo. Apresentámo-nos bem, tivemos mais bola e, sempre que a perdemos, tivemos uma boa reação a controlar o contra-ataque adversário. Conseguimos impor o nosso jogo na maioria do tempo, mas obviamente que tínhamos um adversário fisicamente forte que puxou muito pelo contra-ataque, fez muitas faltas, mas a nossa resposta foi sempre muito boa. Foi um fator fundamental para o resultado e depois para termos conseguido mantê-lo até ao final do jogo.

[A opção de Tiago Tomás no lugar de Sporar]

- Temos um plantel diminuído pelas razões que se conhecem. As escolhas foram de cariz técnico, para o rendimento da equipa, quer para o onze inicial, quer pelas substituições que podíamos fazer no decorrer do jogo.

[Os jogadores que estavam infetados já estão disponíveis para o próximo jogo?]

- Essa questão diz respeito às normas da DGS. É sobre isso que está dependente o regresso destes jogadores. Esses jogadores estão bem, mas ainda não puderam estar presentes neste jogo.

[Jovane jogou na zona central. Satisfeitos com o rendimento dele nessa posição?]

- O Jovane foi demonstrando uma capacidade forte em segurar a bola, em sair para contra-ataque. Na pré-época também conseguiu demonstrar isso. Acreditámos que podia ser uma boa solução para este jogo. Um dos centrais caía muito para as laterais, tentámos tirar proveito disso. Também com o Vietto.

[Rúben Amorim esteve nervoso durante o jogo?]

- Esteve sempre em contato connosco. Não tinha razões para estar nervoso, esteve a observar e a ajudar da maneira que era possível. No final destacou a solidariedade dos jogadores e o facto da equipa nunca ter perdido o norte. Quem está de fora quer sempre contribuir, o Rúben, como líder do processo, contribuiu sempre. Comunicou, informou, ajudou.

[LASK, que venceu hoje por 7-0, é o adversário da próxima semana, o Sporting vai estar preparado?]

- O Sporting, primeiro, vai ter de preparar-se para o jogo de domingo, frente ao Paços de Ferreira, depois vai ter de preparar-se para o jogo seguinte, mas primeiro está o Paços.

[Contava com mais debilidades do Aberdeen?]

- Quando se faz análise ao adversário, olha-se para isso, para as suas fraquezas, mas também para o seu potencial. Também confrontamos isso com as características da nossa equipa. Sabíamos que íamos ter este padrão, com eles mais encaixados no meio-campo defensivo e a apostar no contra-ataque, onde são muito fortes. Queríamos ter o controlo do jogo, como tivemos. Tivemos de atacar com equilíbrio ofensivo e ter uma reação coletiva forte. No lance do golo, os nossos médios foram fundamentais. O Wendel teve um papel importante, mas o Vietto também. A nossa reação foi mais forte do que o adversário, pelo posicionamento e pela proatividade que se tem em cada situação.

Ricardo Gouveia / Estádio de Alvalade, Lisboa