Bueno. Que Buenovista!

Quem viu os primeiros 55 minutos de jogo, certamente não esperaria o desfecho desnivelado entre verdadeiros aflitos na classificação. Mas havia surpresa no sapatinho. Na bota direita de Mateus. E depois na de Alberto Bueno.

O Boavista venceu o Feirense por 2-0 com golos do angolano e do espanhol, o primeiro após uma falha de André Moreira e o segundo num livre direto soberbo do recente reforço da pantera, que volta a rugir exatamente um mês após a última vitória.

É um dado curioso: os axadrezados tinham ganho pela última vez contra Lito Vidigal e voltam a somar três pontos agora com o técnico luso-angolano do seu lado, que acabou expulso por protestos ainda antes da obra de arte de Bueno.

Mas já lá vamos aos lances decisivos. Antes, é preciso falar da relação do jogador com a bola. Com os pontos. O psicológico mexe com o futebol.

Quando a bola queima, há indecisão. Quando se pedem pontos, há ansiedade. Perde o futebol, pela tamanha urgência de somar, em vez de brilhar. Depois da vitória do Desp. Chaves este sábado, Boavista e Feirense entraram em campo nas duas últimas posições da tabela. Derrota seria sinónimo de último lugar ao fim da jornada. Ali fica o Feirense e a manta de Nuno estica pela urgência de pontos. O Boavista respira um pouco mais.

Boavista-Feirense: a ficha e o filme do jogo

Tudo isto após uma primeira parte de equilíbrio, mas pouco futebol. O Feirense, contido e ponderado na posse e no ataque, teve no reforço Mateus Anderson o homem mais expedito: obrigou Helton Leite a trabalhos, num cruzamento-remate, no primeiro quarto de hora.

Depois, o Boavista cresceu e só não foi em vantagem para o intervalo por culpa de André Moreira: grande defesa após jogada individual de Mateus (31’) e nova intervenção a negar o cabeceamento de Rafael Costa (35’).

E como se o cenário das lesões não fosse hábito para o Feirense, Nuno Manta foi obrigado a trocar Aly Ghazal por Marco Soares de forma forçada para a segunda parte.

Boavista-Feirense, 2-0: os destaques do jogo

Com a troca de lados, o Feirense ficaria mais condicionado depois de Vítor Bruno ver o cartão amarelo. Os dois laterais estavam amarelados e a equipa não estava a impor-se perante a pantera. A que arranhou o marcador ao minuto 56.

André Moreira falhou a palmada ao cruzamento de Edu Machado e Mateus, que tanto já tinha feito, brindou o Bessa com o 1-0 num desvio ao segundo poste.

O mais difícil parecia feito e o mesmo Mateus quase dobrou a diferença pouco depois. Não o fez e o Feirense esteve perto do empate, numa jogada de Mateus Anderson, o mais inconformado a nível ofensivo. Manta lançou João Silva ao ataque pelo empate, mas seria outro avançado a brilhar e na outra baliza.

Estreia de sonho para Alberto Bueno, num golaço de livre, aos 82 minutos, a fixar o resultado. O Feirense acusou o golo e a entrada de Petkov já foi em vão. Já lá vão 18 jornadas sem vitórias para o Feirense, que pode ficar a sete pontos da zona de manutenção ao fim da jornada. Manta curta e lenços brancos no final. Do outro lado, xadrez em festa.

Ricardo Jorge Castro / Estádio do Bessa, Porto