Dois golos, três pontos e uma pressão dos diabos sobre o rival Benfica no topo da tabela.

O FC Porto venceu o dérbi, isolando-se provisoriamente no comando da Liga, e agora fica à espera que o Benfica tropece na Feira para voltar à liderança isolada.

Isto antes de visitar Liverpool, na próxima terça-feira, para a primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões.

Por sua vez, o Boavista tropeçou no processo de recuperação, mas para já tem quatro pontos de conforto sobre a zona de despromoção.

FICHA DE JOGO DO FC PORTO-BOAVISTA: 2-0

Este foi um dérbi sem treinadores principais no banco.

Castigados, Sérgio Conceição e Lito Vidigal comandaram as equipas por controlo remoto, embora ao volante, no banco do motorista, estivessem condutores de inteira confiança: Vítor Bruno e Neca, respetivamente.

Vindo de uma dupla jornada feliz em casa do Braga – com triunfo no campeonato e apuramento para a final da Taça – Conceição mudou dois jogadores em relação à última jornada, mas mexeu no onze bem mais do que possa parecer.

O castigado Felipe e o lesionado Alex Telles abriram espaço na equipa para Manafá e Brahimi, que regressou à titularidade cinco jogos depois.

Corona foi adaptado a lateral direito – será um indicador para Liverpool? – e Manafá jogou no lado contrário. Militão, por sua vez, regressou ao eixo da defesa para fazer uma dupla inédita com Pepe.

Do lado contrário, Lito mostrou-nos porque é um dos treinadores mais pragmáticos da Liga.

Esta noite, fez cinco alterações em relação ao importante triunfo frente ao Belenenses, da passada segunda-feira, e apresentou-se num 5-4-1, que se desdobrava num 3-4-3 em situações de ataque: Yusupha solto lá na frente e atrás dele duas linhas com quatro e cinco homens – a mais recuada com três centrais.

Na gíria futebolística, um autocarro de dois andares, com o alternativo equipamento cor de laranja do equipamento axadrezado a sugerir até os antigos modelos dos STCP – que curiosamente agora pinta os seus veículos de azul e branco.

A verdade é que, influenciado ou não pelos novos preços do Andante, o FC Porto mostrou ter passe – e paciência – para seguir da Boavista às Antas sem grandes sobressaltos.

Paulatinamente, o double decker bus de Lito foi sendo desviado do caminho da baliza.

Convenhamos: a comparação serve para meramente para efeitos criativos.

Lito assenta a sua equipa numa irrepreensível organização defensiva e facto é que este Boavista apresenta-se bem mais maduro desde a sua chegada ao comando técnico.

FC PORTO-BOAVISTA: DESTAQUES DO JOGO

Esta noite, a estratégia funcionou quase até ao final da primeira parte: até Brahimi cair na área numa disputa com Raphael Silva e Rui Costa assinalar um penálti que Soares converteu.

Ainda assim, até ao golo no minuto 41, o FC Porto produziu uma avalancha ofensiva. Soares, Otávio, Brahimi, Soares de novo… As oportunidades sucediam-se.

Sem encontrar o caminho da baliza, a meio da primeira parte, Brahimi recuou para zonas interiores para pegar no jogo a meio-campo e Corona e Manafá tornaram-se em extremos, fazendo dos flancos duas avenidas, de modo a darem ainda mais largura e profundidade ao jogo dos campeões nacionais.

Se o primeiro golo tardou, o segundo viria a surgir logo. Marega introduziu a bola na baliza ainda antes do intervalo, após passe de Soares, mas estava em fora de jogo.

Porém, o Dragão viria a festejar sem se reprimir já no início da segunda parte: Otávio recebeu a meio do meio campo, ligou o turbo e disparou cruzado para bater Bracali – tal como Bueno de regresso ao Dragão.

2-0 aos 48 minutos. Jogo resolvido com ainda quase uma parte por jogar.

Mesmo em desvantagem o Boavista não arriscou substancialmente, o FC Porto foi gerindo o dérbi com a cabeça já na Liga dos Campeões.

O jogo só voltou a animar já perto do final, quando um pontapé acrobático de Brahimi parou nas mãos de Bracali.

Até lá, o dérbi seguiu viagem de forma serena e previsível, até ao destino previsto.

Hoje, o dragão mostrou o passe e seguiu viagem. Segue-se uma paragem na carreira doméstica.

Próxima estação: Anfield.

--

Veja o resumo do jogo:

Sérgio Pires / Estádio do Dragão, Porto