FIGURA: Pedro Gonçalves

Prestação, por fim, inglória no resultado final para o médio do Famalicão. Exibição coerente e regular ao longo dos 90 minutos, sem quebras de rendimento. Está na base dos dois golos da equipa, ao cruzar para o cabeceamento certeiro de Roderick, assinando depois a jogada na qual foi travado por Philipe Sampaio para o penálti que Fábio Martins traduziu no 2-2. Na parte final, contribuiu para o sufoco dos famalicenses à baliza contrária, mas acabou de mãos a abanar, tal como toda a equipa. Fica o registo exibicional entre um resultado negativo.

MOMENTO: Murillo redime-se e decide o jogo (90+6m)

O timbre do jogo na reta final fazia adivinhar tudo menos uma vitória do Tondela. O Famalicão já carregava no tempo regulamentar em busca do 3-2 e acentuou a pressão nos dez minutos de compensação, mas no sexto destes, um pontapé longo de Cláudio Ramos encontrou o peito de Toro, que serviu com um passe preciso, por alto, o colega Jhon Murillo. O venezuelano, em jogo, ficou isolado e atirou para o fundo da baliza após ultrapassar Defendi. Redenção do sul-americano, que tinha falhado um golo certo ao minuto 49. Talvez o desfecho diga que tenha valido a pena a lição.

OUTROS DESTAQUES

Murillo: é um dos homens do jogo pelo golo decisivo que marca. Teve frieza para encarar Defendi em tempo de compensação, aquela que faltou no desperdício mostrado ao minuto 49 de jogo, com a baliza escancarada.

João Pedro: critério a meio campo na recuperação de bola, marcação e lançamento das transições que custaram caro ao Famalicão. Exibição equilibrada, com duas assistências para a vantagem do Tondela a intervalo. Bateu eficaz e precisamente o canto que Pepelu desviou de cabeça ao primeiro poste e serviu Xavier em velocidade, antes de este fazer o segundo golo do Tondela, na recarga a um primeiro remate. Saiu à hora de jogo, com cara de quem não gostou de ser substituído, pelo bom rendimento que apresentava.

Xavier: foi uma das setas nas saídas rápidas do Tondela para o ataque e deu trabalhos redobrados a Riccieli. A esperteza na desmarcação valeu-lhe o direito de completar a jogada do 0-2 para o Tondela.

Anderson: poço de força no ataque do Famalicão, nunca deu descanso aos dois centrais do Tondela e protagonizou, sobretudo, um duelo individual interessante com Bruno Wilson nesse capítulo.

Fábio Martins: foi um dos homens mais inconformados e concretos do Famalicão ao ataque. Assinou, sem tremer, o pontapé de penálti que deu o 2-2 ao marcador e criou dificuldades ao lateral-direito Moufi.

Pepelu: o internacional sub-21 por Espanha estreou-se a marcar na Liga portuguesa este sábado, assinando, de cabeça, o primeiro golo do jogo e dos beirões. Primeiro, a cabeça para a pontaria. Depois, a mesma, pela inteligência, para equilibrar forças no duelo a meio campo com os homens do Famalicão. Pecou pela infração sobre Gustavo perto do intervalo, que o condicionou com um cartão amarelo para a etapa complementar.

Diogo Gonçalves: uma ação individual lançou a primeira ocasião do Famalicão e, depois de extremo, assumiu o papel de lateral-direito na segunda parte face à entrada de Rúben Lameiras e cumpriu o papel com responsabilidade, com subidas constantes no apoio ao ataque.

Ricardo Jorge Castro / Estádio Municipal de Famalicão, Famalicão