* por Rui Pedro Paiva

O Benfica venceu o Santa Clara, por 2-1, nos Açores, num jogo bastante apático por parte dos líderes do campeonato, que só chegaram à vantagem aos 78 minutos por Pizzi.

O resultado acaba por penalizar a equipa do Santa Clara, que se viu batida pela eficácia dos ‘encarnados’ que aproveitaram duas entre as poucas oportunidades de golo que dispuseram.

Na partida para o encontro, o Santa Clara, conforme anunciou o treinador João Henriques, procurava regressar às vitórias no campeonato, depois de nos últimos três jogos ter somado dois empates (Portimonense e Vitória de Setúbal, ambos 1-1) e uma derrota (por 2-0, frente ao Braga).

Por seu turno, o Benfica, procurava manter-se na liderança da liga e sair da ‘ressaca’ europeia, após ter sido derrotado pelo Lyon, 3-1, na terça-feira, para a Liga dos Campeões, resultado que compromete as aspirações ‘encarnadas’ na principal prova europeia de clubes.

O estádio de São Miguel encheu-se e as bancadas coloriram-se de vermelho. Cerca de 10 mil pessoas viram o primeiro lance de perigo a pertencer à equipa da casa. Aos quatro minutos, livre perto da área em zona central. O especialista nestas cobranças, Osama Rashid (que marcou de livre direto sensivelmente da mesma zona na jornada passada frente ao Setúbal) bateu colocado e valeu Odysseas com uma grande esticada a evitar o primeiro no marcador.

Após isso, o jogo desenvolveu-se como se de um jogo de xadrez se tratasse. O Benfica controlava a posse de bola e jogava no meio campo do adversário, mas o bloco dos açorianos, sempre compacto, não cedia um milímetro na organização defensiva.

O Santa Clara, além do rigor defensivo, procurava explorar o contra-ataque, arma em que a equipa de João Henriques é eficaz. Eficácia que ficou demonstrada ao minuto 18. Lance na direita conduzido por Rafael Ramos, cruzamento para o segundo poste e Carlos Júnior, mais forte do que André Almeida, cabeceou para o fundo das redes. Estava feito o 1-0.

Após o golo, a tendência do jogo, já demonstrada anteriormente, acentuou-se. O Santa Clara recuou e formou uma muralha no seu meio-campo. Foram raras as vezes que o Benfica conseguiu ultrapassar esta muralha, e, quando conseguiu, pouco perigo levou à baliza de Marco.

CLASSIFICAÇÃO DA LIGA

Para penetrar na zona defensiva do adversário, o Benfica procurava mudanças de flanco rápidas, através de bolas longas para as laterais, mas o bloco dos açorianos não cedia. Aliás, a falta de inspiração dos jogadores ‘encarnados’ via-se neste tipo de lances. Gabriel, por exemplo, particularmente infeliz na primeira parte, falhou vários passes, ora entregando a bola ao adversário, ora atirando diretamente para fora.

E foi o próprio Santa Clara que esteve mais perto de ir para o intervalo com uma vantagem de dois golos. Cruzamento da esquerda, Zé Manuel, em esforço, ainda consegue rematar, mas já não consegue enquadrar com a baliza. Até ao intervalo, o Santa Clara manteria a vantagem, justificada pelo rigor e espírito de solidariedade dos açorianos perante uma exibição muito fraca do campeão nacional.

Para a segunda parte, Lage trocou Florentino por Vinicius, na tentativa de balancear a equipa para o ataque. Mas, no regresso dos balneários, foi o Santa Clara que esteve perto de marcar novamente. Aos 48 minutos, cruzamento largo na esquerda, a bola corre toda a defesa do Benfica, chega a Zé Manuel, que na cara de Odysseas, atirou à malha lateral.

Os açorianos não se resignavam, e sem receio de enfrentar o líder do campeonato, que se mantinham amorfo, estiveram perto do segundo, uma vez mais, aos 50 minutos. Rashid

Aproveita uma bola perdida de Jardel, rematou forte, valeu defesa atenta de Odysseas Vlachodimos.

A resposta do Benfica iria surgir dois minutos depois, através de um lance de bola parada. Bola na área, Rúben Dias dispara, e valeu Marco, com uma enorme defesa de instinto, a evitar o golo naquele que foi o primeiro lance do perigoso do Benfica na primeira parte.

O lance motivou o Benfica, que iria chegar ao golo aos 54 minutos. Cruzamento de pIzzi na direita, Carlos Vinicius, recém-entrado, encostou ao segundo poste para o fundo da baliza à guarda de Marco.

O golo pareceu ter acordado o Benfica que aumentou o ritmo do jogo. O ambiente aqueceu e até um dirigente do Santa Clara foi expulso. Após algumas bolas bombeadas para a área do Santa Clara, que os açorianos foram afastando como podiam, o jogo voltou a resfriar.

O Benfica passou a dominar a posse de bola e o Santa Clara a apostar no contra-ataque. Mas ambas equipas tinham dificuldades em criar lances perigosos.

Quando o jogo caminhava para o fim, e o empate parecia o resultado mais provável, o Benfica iria chegar ao golo, através do já inevitável Pizzi, aos 78 minutos. Os ‘encarnados’ recuperaram a bola no meio campo adversário, Seferovic desmarca Pizzi na esquerda, e o médio português, na cara de Marco, atirou rasteiro para o golo benfiquista.

Aos 92 minutos, no último suspiro do jogo, Ukra ainda teve uma ocasião flagrante para o empate, mas o jogador dos açorianos não acertou com as redes contrárias.

/ Estádio São Miguel, Açores