Ainda não foi desta que Moreirense ou Famalicão encontraram a rota dos triunfos. Com um início de campeonato tímido, à quinta jornada os dois emblemas não somam qualquer vitória e esta tarde empataram-se (2-2) a duas bolas num jogo com momentos entretidos mas em que nenhuma equipa conseguiu segurar a vantagem.

Os cónegos fizeram as honras da casa e entraram a vencer, mas permitiram a cambalhota no marcador a um Famalicão que em largos períodos do jogo demonstrou mais personalidade. Quando o triunfo parecia encaminhado o Moreirense resgatou um ponto ao chegar novamente à igualdade por intermédio da arma secreta André Luís.

No lado do Famalicão a única cara nova no onze em relação ao empate com o Sporting foi o avançado Banza, emprestado pelo Lens, que se estreou com dois golos. Ainda assim, insuficientes somar os primeiros três pontos da época.

Início entretido

Sabendo-se de antemão que as duas equipas queriam dar um safanão no início de época menos conseguido, a realidade é que o início do encontro foi entretido e intenso de parte a parte, fruto disso, em vinte minutos registaram-se dois golos e vários lances de realce em ambas as áreas.

Respondendo a uma entrada em campo mais lúcida do Famalicão, o Moreirense chegou ao golo aos onze minutos, na transformação de uma grande penalidade por Rafael Martins. Riccieli travou Pires e da marca dos onze metros o avançado dos cónegos fez o gosto ao pé e adiantou a equipa de João Henriques no marcador.

Uma vantagem que durou apenas nove minutos. Ivo Rodrigues, muito interventivo no ataque famalicense, rematou de fora da área. Pasinato, que já tinha sido chamado a intervir por mais do que uma vez, defendeu como pôde para a frente. Perante a atrapalhação de Artur Jorge, Banza finalizou de pé direito um lance confuso.

O ritmo foi baixando após um arranque intenso. Pasinato teve de se aplicar em mais do que uma ocasião e já perto do intervalo Rafael Martins atirou ao ferro na sequência de um lance de bola parada, equilibrando os pratos da balança no que a lances ofensivos diz respeito.

Arma secreta trai estreia de sonho

Apesar da bola no ferro, o Famalicão terminou a primeira metade com ligeiro ascendente, muito por força da sua abordagem mais destemida ao jogo. Deu seguimento a esse domínio após o intervalo, chegando rapidamente ao segundo golo.

Outra vez Banza. Boa jogada de envolvimento do lado direito da equipa de Ivo Vieira, com o avançado a antecipar-se à marcação na pequena área, desviando a bola de Pasinato. Nova mostra de sentido de oportunidade do atacante famalicense a encaminhar aquele que se perspetivava ser o primeiro triunfo.

Só que João Henriques tinha uma cartada na manga. André Luís foi lançado a partir do banco e poucos minutos depois fez o golo. O terceiro golo da temporada num golpe de cabeça.

Com dois golos de bola parada o Moreirense evitou a derrota, carimbando mais um empate. O jogo foi entretido, mas não teve  sabor desejado  para qualquer das equipas. Em Moreira e Famalicão procura-se a rota do triunfo.

Bruno José Ferreira / Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos