A FIGURA: Gelson Dala

Não chegam os dedos de uma mão para contar as vezes que tentou visar a baliza do Belenenses. Para lá das tentativas, Dala criou um (que Gonçalo Silva fez na própria baliza) e marcou dois, embora só um tenha contado. Em menos de dez minutos (aos 55’ e aos 64’), o avançado angolano emprestado pelo Sporting apareceu na área a finalizar para o fundo da baliza cruzamentos rasteiros vindo da esquerda. A jogar nas costas do ponta de lança Carlos Vinícius mostrou-se letal. Todo ele velocidade, habilidade e oportunismo. Grande exibição.

--

O MOMENTO: minuto 55’: golo anulado a Dala

Licá acabara de falhar o empate por centímetros, ao enviar uma bola ao poste, quando o Rio Ave aproveitou a resposta para introduzir a bola na baliza adversária. Galeno recebeu na direita, entrou na área e serviu ao meio Gelson Dala, que tocou de pé esquerdo para o fundo da baliza. 2-0 e jogo arrumado? Nada disso. O VAR interveio e anulou o lance ao descobrir uma mão na bola de Carlos Vinícius. Quatro minutos depois, o Belenenses empatou.

--

Outros destaques:

Galeno

Veloz, muito veloz. O brasileiro emprestado pelo FC Porto é uma seta apontada à baliza contrária. Sobre a esquerda do ataque é um perigo nas transições rápidas. Para ser mais eficiente falhou-lhe, porém, discernimento para definir melhor no último terço. Ainda assistiu Dala para o golo, aos 55’, mas o lance foi anulado.

--

Licá

Sobre a direita deixou em permanente alerta os vilacondenses. O extremo ex-FC Porto esteve muito perto do golo aos 55, num disparo forte e cruzado ao poste. Quatro minutos depois, haveria mesmo de fazer o empate, ao surgir oportuno na área a desviar para o fundo da baliza rioavista.

Fredy

Se de um lado havia Licá, do outro apareceu Fredy. Sobre a esquerda, foi outro foco de perigo para a defesa adversária. Converteu com classe o penálti, aos 69', que valeu o empate a duas bolas.

Sérgio Pires / Estádio dos Arcos, em Vila do Conde