FIGURA: Fransérgio
A inspiração individual esteve ao serviço do coletivo e, com um excelente golo, o médio brasileiro ajudou o Sp. Braga a encontrar o caminho do triunfo. O epicentro do jogo arsenalista, Fransérgio dá robustez ao miolo, sendo quase sempre solução para dar seguimento aos laces. Sempre pronto a puxar o gatilho, calibrou bem a pontaria e atirou a contar de forma preponderante.

MOMENTO: golo de Fransérgio (28’)
Que grande golo. Sem preparação, o médio brasileiro atirou com aquele que até nem é o seu melhor pé, de fora da área, assinando um golo de bandeira. Grande remate, com força e colocação suficientes para não dar qualquer hipótese de defesa a Daniel. Guiou o Sp. Braga para o triunfo numa fase do jogo em que ia faltando criatividade.

OUTROS DESTAQUES

Galeno
Nem sempre soube rececionar o esférico, perdeu-se em correrias e abusou nas fintas. Teve várias falhas, mas é um agitador nato. Cavalgou metros, encurtou o terreno de jogo, chamando a si a área adversária. Faz a assistência para o golo de Iuri Medeiros. Se definisse melhor os lances, seria um caso sério.

Nuno Borges
O cabo-verdiano foi um pilar e um ponto de equilíbrio no setor intermediário da equipa que viajou desde a Ilha da Madeira. Muito regular nos seus movimentos, povoou bem o meio campo e teve critério na distribuição de jogo do conjunto montado por Luís Freire. Apontou o golo da equipa do Nacional.

Iuri Medeiros
Foi o primeiro a ser preterido por Carlos Carvalhal, mas deixou a sua marca no jogo. Grande golo, um pontapé acrobático, na estreia a marcar com a camisola do Sp. Braga. O seu pé esquerdo foi sinónimo de perigo, notabilizando-se na cobrança de bolas paradas quase sempre a deixar o último reduto insular em apuros.

Daniel Guimarães
Decisivo na baliza do Nacional, essencialmente na segunda parte, a evitar que o Sp. Braga desse outro tipo de expressão ao marcador. Fez uma série de intervenções de recurso, algumas delas de dificuldade elevada.

Bruno José Ferreira / Estádio Municipal de Braga