A FIGURA: João Palhinha, o rosto do leão

Foi o rosto do leão esta noite. Combativo, Palhinha nunca virou a cara à luta e tentou sempre levar a equipa leonina para a frente. Fez o que nem costuma fazer – rematar – várias vezes e defensivamente demonstrou a eficácia do costume. Numa noite em que os artistas da frente não brilharam tanto como é costume, foi Palhinha a indicar o caminho da liderança, mesmo sem uma exibição de encher o olho – como nenhum dos colegas, de resto.

O MOMENTO: Sporar desfaz o nulo, 90+1 minutos

A exibição não tinha sido de sonho, mas o Sporting tentava os últimos cartuchos para tentar o triunfo. E ele chegou. Defendi cometeu penálti sobre Feddal e Sporar não desperdiçou. Bola para dentro e liderança no sapatinho do leão.

OUTROS DESTAQUES

Tiago Tomás

Foi ele o escolhido para acompanhar Nuno Santos e Pedro Gonçalves no trio de ataque da equipa de Ruben Amorim, e sai com nota positiva. Na primeira parte, onde o Sporting demonstrou mais dificuldades para estar confortável na partida, foi sempre dos mais irrequietos. Nunca se escondeu da bola e ainda atirou ao poste, naquela que foi a melhor oportunidade dos leões nos primeiros 45 minutos. No segundo tempo, acabou por cair de produção.

Ryan Gauld

De regresso a Alvalade, o pequeno escocês foi uma das maiores figuras do Farense. Dono de um pé esquerdo invejável – já não é surpresa para ninguém –, Gauld deu sempre outro perfume ao jogo do Farense. Na primeira parte, foram dele de resto os dois maiores lances de perigo da equipa de Sérgio Vieira. Na segunda parte colocou Patrick na cara do golo com uma grande bola, mas o avançado não conseguiu o desvio para a baliza.

Nuno Santos

Numa noite em que o Sporting não esteve propriamente inspirado, Nuno Santos foi dos que mais mostrou serviço. Começou a extremo, sempre a pisar terrenos interiores e a dar-se muito ao jogo. No início da segunda parte, de resto, foi o elemento que mais desequilibrou – é dele o passe que colocou Pote na cara de Defendi. Com a saída de Nuno Mendes assumiu terrenos mais defensivos e perdeu protagonismo.

Defendi

Na primeira parte teve uma noite relativamente tranquila para quem jogava na casa do líder do campeonato. No segundo tempo foi mais vezes chamado à ação, mas respondeu quase sempre à altura, principalmente a negar o golo a Pedro Gonçalves e Bruno Tabata com duas intervenções de alto nível. Acabou por «estragar» a exibição ao cometer penálti sobre Feddal.

Rafael Vaz / Estádio de Alvalade, Lisboa