Num encontro inédito da Liga em Moreira de Cónegos entre cónegos e famalicenses os dois emblemas minhotos não foram além de uma igualdade (1-1) num jogo intenso e disputado no qual os golos apenas chegaram na segunda metade em apenas quatro minutos.

O Moreirense foi superior na primeira metade, o Famalicão puxou dos galões na segunda mas ninguém teve mestria para aproveitar os momentos em que esteve por cima no jogo. Os atacantes Fábio Abreu e Toni Martínez foram os autores dos remates certeiros que fizeram mexer o marcador.

Mantendo o estatuto de equipa invencível após a paragem do campeonato, estando aliás há seis jogas sem saborear a derrota, o segundo empate consecutivo vale à equipa de João Pedro Sousa o reassumir do quinto lugar, agora com um ponto de margem para o Rio Ave, segurando, portanto, o último lugar europeu.

Martínez contra a intensidade cónega

Em mais um dérbi minhoto, após ter deixado uma boa imagem no dérbi de Guimarães, o Moreirense foi mais intenso no duelo com o Famalicão, sendo vertical a armar o ataque e com zonas bem definidas de pressão à primeira fase de construção famalicense.

Com esta estratégia os cónegos anularam os principais pontos fortes da equipa de João Pedro Sousa e colecionaram uma série de lances prometedores na primeira metade, ficando a dever a eles próprios um pouco mais de lucidez para tirar dividendos desse domínio.

Contudo, fiel ao que tem sido o seu campeonato, o Famalicão precisou de pouco volume de jogo para criar perigo e, apesar de ter rubricado uma primeira metade amorfa, conseguiu equilibrar os pratos da balança no que a lances de perigo diz respeito.

Toni Martínez foi o municiador desses lances de perigo, assinando dois lances de frisson. Primeiro disparou forte à meia volta ao beneficiar de uma escorregadela que quase era fatal para Halliche. Depois apareceu isolado na cara de Pasinato, mas o desvio saiu demasiado subtil e rasou o poste quando se gritava golo no banco famalicense.

Dois golos em quatro minutos

O chá do intervalo serviu para João Pedro Sousa acertar agulhas, aparecendo o Famalicão mais desinibido para a segunda metade, a meias com uma menor capacidade física do Moreirense para executar a pressão.

Fruto dessa perda de gás do Moreirense Ricardo Soares não perdeu muito tempo e trocou três peças do seu tabuleiro de uma assentada, com o intuito de devolver à sua equipa a intensidade que se foi perdendo.

Alterações que valeram ao Moreirense a vantagem no marcador. Alheado das redes adversárias nos últimos tempos, apenas sete minutos após ser lançado no encontro Fábio Abreu encostou para o fundo das redes, correspondendo da melhor forma ao cruzamento de Filipe Soares.

Só que, numa fase de equilíbrio, a vantagem durou apenas quatro minutos. Toni Martínez operacionalizou as ameaças da primeira metade ao rematar certeiro nas costas da defesa, relançando o encontro.  

Procurou o segundo o Famalicão na reta final, por impulso; respirou o Moreirense, segurando a igualdade. Empate que se aceita num jogo entretido em mais um dérbi minhoto.

Bruno José Ferreira / Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos