O Sporting venceu hoje o Santa Clara por 2-1, com dois golos de Pedro Gonçalves. Um jogo sem grande história, com duas equipas desinspiradas, mas onde os leões foram quase sempre melhores do que o Santa Clara. Por isso, o triunfo assenta bem ao conjunto de Ruben Amorim, num encontro que teve 935 adeptos na bancada.

Na antevisão, o treinador do Santa Clara, Daniel Ramos, alertou para a possibilidade de a equipa fazer história: em dez jogos, os açorianos nunca venceram o Sporting – o melhor que conseguiram foram dois empates. A série foi alargada para 11. 

 As duas equipas partiram em igualdade pontual (sete pontos), mas, dentro do campo, o Sporting começou mais forte. Aos dois minutos, Nuno Santos deu o primeiro aviso com um remate fortíssimo que saiu por cima da baliza de Marco. Apesar do ímpeto inicial, com o passar do tempo, o Santa Clara conseguiu subir as linhas e equilibrar a partida – apesar dos leões estarem por cima na posse de bola.

Os açorianos tornavam-se perigosos, sobretudo, através de contra-ataques, que iam colocando a defesa leonina em sentido. O Sporting, com mais bola, ia procurando subir no terreno.

Sem conseguir criar oportunidades de golo flagrante, foi num lance aparentemente inofensivo que o Sporting acabou por chegar ao golo. Aos 20 minutos, bola longa metida por Jovane para as costas da defesa, Pedro Gonçalves recebeu, explorou o espaço e, quase sem ângulo, rematou para o fundo das redes. Facilitaram o defesa e o guarda-redes do Santa Clara, não facilitou Pedro Gonçalves. Estava feito o 1-0.

FICHA DE JOGO E AO MINUTO DA PARTIDA

Em vantagem, o Sporting ficou mais confortável e o Santa Clara mais ansioso. Os leões continuaram a controlar o encontro, tapando os espaços, dificultando a ação dos açorianos. A equipa de Ruben Amorim assumia o controlo da posse de bola e dominava em todas as instâncias do jogo.

O Sporting dominava, mas as a equipa açoriana nunca deixou de tentar chegar à baliza adversária sempre que podia – embora sem grande sucesso. Mas à falta de inspiração dos açorianos, Coates deu uma ajuda. O central entregou mal a bola, Lincoln aproveitou para servir Thiago Santana, o avançado driblou Adán e atirou para o fundo das redes. Foi o único remate dos açorianos à baliza no primeiro tempo. Ao intervalo, empate no marcador.

A segunda parte foi uma autêntica batalha a meio-campo. O jogo tornou-se duro, com muitas faltas, com ambas as equipas a lutarem pela posse de bola. Com o passar do tempo, o jogo diminuiu a intensidade e o Sporting passou a trocar a bola no meio-campo adversário.  O ritmo estava baixo e as oportunidades de perigo eram inexistentes. «Já vi jogos de veteranos mais animados», ouviu-se a certa a altura da bancada.

Não se sabe se influenciado pelos comentários dos adeptos, Ruben Amorim fez entrar de uma assentada Tiago Tomás e Sporar, aos 58 minutos, para dar mais intensidade ao encontro. É que o ritmo lento apenas beneficiava o Santa Clara.

Perante a falta de criatividade dos leões, João Mário foi lançado no jogo aos 66. E o jogo do Sporting ganhou outro perfume. Aos 73, o Sporting esteve muito perto do golo. Depois de um cruzamento de Porro, Soprar cabeceou com a bola a passar a centímetros do poste de Marco.

Com o jogo a caminhar para o fim, o Sporting foi perdendo a timidez e começou a encostar o Santa Clara às cordas. Várias bolas bombardeadas e várias iniciativas atacantes penetraram na área açoriana, causando calafrios aos adeptos do Santa Clara.  

Os vários ataques do Sporting seriam recompensados, muito graças à instabilidade da defensiva do Santa Clara. Aos 81, Pedro Gonçalves aproveitou a saída precipitada de Marco (que má exibição do guardião!), que se confundiu com João Afonso e fez o segundo do Sporting. Gonçalves, mais uma vez, foi até ao fim do lance e acabou por demonstrar que com ele por perto, não pode haver facilitismos.

VÍDEO: 

Rui Pedro Paiva / no Estádio de São Miguel, nos Açores