Começa a ser um clássico. O Tondela voltou a conseguir a manutenção na Liga no derradeiro jogo da Liga ao vencer em Moreira de Cónegos (1-2) com dois golos de grande penalidade. Habituados a decisões na reta da meta, os beirões nem foram ao sprint, literalmente, assegurando a permanência com golos no último minuto de cada uma das partes.

Bastava um empate ao conjunto de Natxo Gonzalez, mas os beirões foram pelo seguro num campo em que até se costuma dar bem, e garantiram a sexta presença consecutiva entre os grandes do futebol português.

O V. Setúbal também fez o que lhe competia, pelo que de nada valeu o triunfo ao Portimonense, sendo a equipa algarvia a descer ao segundo escalão juntamente com o Desportivo das Aves.  

Castigo máximo contra o marasmo

Com o Moreirense tranquilo na tabela, jogando apenas para cumprir calendário, e com o Tondela a necessitar apenas do empate, o embate foi morno. De um lado não havia necessidade de grandes correrias, do outro não havia necessidade de correr riscos desnecessários.

Assistiu-se, por isso, a um encontro sem sal em Moreira de Cónegos, com aproximações escassas à baliza e trocas de bola pouco ousadas, pelo que as oportunidades foram tímidas de parte a parte. Destaque para um cabeceamento por cima de Yohan Tavares, não contando com o brinde da defesa do Moreirense, e um remate forte de Luther para Niasse defender de forma apertada.

No derradeiro minuto da primeira metade o Tondela respirou fundo. John Murillo encheu o pé de fora da área e viu a bola embater no braço de Conté, dando origem à marcação de uma grande penalidade. João Pedro bateu Pasinato com tranquilidade e deu um passo de gigante para a manutenção do Tondela.

Moreirense cresce mas não escapa a novo penálti

Em desvantagem no marcador, com naturalidade o Moreirense cresceu no terreno na segunda metade, após consentir o golo no derradeiro minuto do primeiro tempo. Foi evidente a subida no terreno dos cónegos, ganhando alguns metros, mas ainda assim ia tendo dificuldades para penetrar na defesa adversária.

O assédio deu frutos de forma expectável a vinte minutos do minuto noventa. João Aurélio encheu o pé ao ver que a bola tinha sobrado para a entrada da área e rematou forte, batendo Niasse. A bola ressalta em Yohan Tavares de forma decisiva, acabando no fundo das redes.

Minutos finais de desassossego para o Tondela. O Moreirense ameaçou o segundo e a permanência esteve temida. Faz parte, o Tondela parece estar vacinado para isso. Novo castigo máximo serviu de comprimido debaixo da língua. Pepelu copiou João Pedro e marcou da mesma forma, selando as contas beirãs. Depois de seis meses sem vencer fora, foi com chave de ouro que o Tondela fechou a permanência.

Parece mesmo talhado para o sprint na reta da meta o Tondela!

Bruno José Ferreira / Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos