FIGURA: Fábio Pacheco

Exímio na ocupação de espaços, teve de se desdobrar ainda mais quando o Moreirense ficou em inferioridade numérica. Foi fulcral no miolo a jogar em antecipação e a disfarçar o homem a menos que a equipa da casa tinha em campo. Um herói sem capa, sem dar nas vistas mas com muito trabalho. Foi o grande pilar do Moreirense neste duelo com o Boavista, uma peça fulcral no tabuleiro de Vítor Campelos.

MOMENTO: expulsão de Halliche (27’)

Iago podia ter resolvido o lance, deixou-se bater no jogo aéreo e Heriberto embalou em direção à baliza. Halliche tentou remediar o erro do companheiro, mas Hélder Malheiro entendeu que o argelino derrubou o extremo axadrezado. Vermelho direto, a deixar as equipas com um diferencial numérico em campo.

OUTROS DESTAQUES

Nenê

Combativo e esforçado, viu desde cedo a sua tarefa condicionada. Campelos manteve o possante avançado em campo a aposta justificou-se. Marcou o golo do Moreirense, foi importante nas bolas paradas defensivas e ainda lançou contra-ataques perigosos.

Marlon

Muito interventivo no jogo o lateral canhoto axadrezado, fez por dar expressão ofensiva ao Boavista pelo seu flanco e destacou-se na cobrança de bolas paradas. Forte fisicamente, anulou bem Bilel.

Pasinato

Fez uma mão cheia de defesas de grau de dificuldade elevado, cotando-se como um elemento importante para suster o ímpeto do Boavista. Pouco podia fazer no lance do golo sofrido, sendo importante para a conquista de um ponto por parte dos cónegos.

Heriberto

A par de Yusupha, o extremo tentou mexer com o jogo no regresso a Moreira de Cónegos. Imprimiu velocidade ao jogo e está num dos lances mais perigosos do Boavista ao atirar ao ferro da baliza de Pasinato.

Bruno José Ferreira / Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos