FIGURA: Sauer, nem sempre é preciso marcar para jogar bem

Titular há sete jogos consecutivos, o brasileiro tem-se revelado uma boa surpresa. Tem qualidade técnica – D’Alberto que o diga – e um espírito de sacrifício à imagem da história do clube que representa. Foi comum vê-lo ajudar várias vezes Edu Machado e, depois, teve frequentemente frescura na hora de decidir com a bola nos pés. Foi responsável pelo canto que resultou no primeiro golo da partida e acertou no ferro antes de Yusupha atirar para o 2-0. Deveriam ter contado como assistência, porque Sauer bem merecia.

MOMENTO: minuto 27, Obiora havia melhor momento para te estreares a marcar?

O Boavista precisava de pontuar e, por isso, qualquer lance é importante, qualquer erro contrário tem de ser aproveitado. E foi o que os axadrezados fizeram. Depois de o livre de Rafael Costa ter esbarrado na trave, Obiora concluiu quase em cima da linha de golo um canto estudado e abriu caminho ao triunfo da Pantera. A partir daí, o conjunto de Lito sentiu-se confortável na partida e acabou por garantir três importantes pontos na luta pela permanência.

Leia ainda a crónica do jogo: Dá jeito ter uma fortaleza, não dá?

Outros destaques:

Obiora: assinalável o papel de recuperador no meio-campo axadrezado. Nem sempre definiu bem após o ganho de bola, mas compensou essa lacuna com bom posicionamento e várias recuperações de bola. Assume papel de destaque pelo golo que abriu caminho ao triunfo folgado do Boavista.

Fábio Pacheco: os sistemas de jogo variaram durante os noventa minutos, mas a prestação do médio cónego foi sempre constante. Ganhou praticamente todos os duelos com Espinho e Rafael Costa, ofereceu sistematicamente solução na primeira fase de construção e funcionou como pêndulo da equipa. É um equilibrador e voltou-o a provar esta noite. Realizou um bom jogo.

Arsénio: está um senhor jogador. O capitão cónego raramente se precipitou ou definiu mal. Soube quando guardar a bola ou soltá-la, percebeu os tempos de jogo, enfim, quem o viu e quem o vê. De lateral improvisado a ala, raramente foi ultrapassado por Mateus. Ficou a sensação de que poderia ter acrescentado um pouco mais ofensivamente.

Vítor Maia / Estádio do Bessa, Porto