O Marítimo deu a cambalhota no marcador e tombou o Rio Ave. A formação vilacondense entrou a dominar, marcou primeiro e parecia ter a partida controlado. Contudo, os madeirenses empataram no reatamento e não mais se viu a turma rioavista, despedindo-se de 2020 estando há cinco jogos sem vencer.

Já Milton Mendes continua em bom plano. Desde que susbstituiu Lito Vidigal no comando técnico dos insulares, venceu três dos quatro jogos que orientou e, com este triunfo, dá um salto na tabela e cola-se ao Nacional na 8.ª posição. Joel Tagueu, com dois golos, vez a viragem no placard e Marcelo Hermes, com a preciosa ajuda de Kieszek, selou o resultado.

No jogo 50 entre as duas equipas, um triunfo permitia a qualquer uma das equipas dar um salto na tabela classificativa. A jogar em casa, o Rio Ave, para além de querer conquistar os três pontos, queria marcar, algo que não acontecia há quatro encontros, sendo o pior ataque da Liga à entrada para este encontro – um dos piores registos de sempre no campeonato nacional.

Por isso, entrou a dominar e desde cedo tentou chegar com perigo à baliza insular. Tarantini, por duas vezes, ficou perto do golo, valendo Amir a adiar o que parecia inevitável. E foi. À passagem do quarto de hora, os vilacondenses colocaram-se na frente do marcador. Carlos Mané cruzou da esquerda para o segundo poste onde surgiu Diego Lopes a cabecear para golo.

O Marítimo não conseguia reagir e a formação vilacondense baixou o ritmo, tendo o encontro entrado numa fase mais atabalhoada, com sucessivas perdas de bola de ambos os lados. Ainda assim, houve ainda algumas ocasiões para fazer mexer o marcador. No lado da turma rioavista, André Pereira teve o golo nos pés por duas vezes, mas Amir levou a melhor. Do outro lado, Joel Tagueu ainda fez balançar a rede, contudo estava em fora de jogo.

No reatamento, a toada de jogo manteve-se, com muitos passes errados, muitas perdas de bola, com muito suor e pouca qualidade técnica. Porém a formação madeirense foi mais eficaz e, num contra-ataque chegou ao empate. Claudio Winck arrancou em velocidade, deu em Rodrigo Pinho que entrou na área, sentou Aderlan Santos e rematou para boa defesa de Kieszek. Na recarga, Joel Tagueu cabeceou para a igualdade.

O Rio Ave sentiu muito o golo e ficou largos minutos completamente desorientado. E quem aproveitou foi o Marítimo. Com o pé quente, Joel Tagueu isolou-se e à saída do guardião rioavista fuzilou as redes. Pouco depois, num lance aparentemente inofensivo, Marcelo Hermes cruzou, Kieszek tentou segurar, mas o esférico fez um efeito e fugiu-lhe das mãos, só parando no fundo da baliza.

Tudo parecia correr mal ao coletivo de Vila do Conde que, não tendo atirado a toalha ao chão, nunca mais conseguiu construir uma jogada com início princípio e fim. Já o Marítimo fez o que gosta de fazer: recuou as linhas e defendeu com unhas e dentes o resultado.

Nuno Dantas / Estádio dos Arcos