FIGURA: Pedrão
O central emprestado pelo Palmeiras é um gigante de músculos e potência. Formou um trio de respeito com Júlio César e Lucas Kal, acabando por ser traído perto do final pelo penálti marcado por Fabrício. Jogo perfeito na marcação ao avançado do Portimonense, a impor o físico e a não falhar uma vez nos níveis de concentração. Jogo de altíssimo nível.

MOMENTO: VAR e Fabrício salvam o Portimonense
O jogo estava perto do fim, o 0-0 era a consequência lógica do deserto de ideias, até que o árbitro Gustavo Correia recebeu um alerta do VAR. Havia braço de Júlio César na bola e penálti para o Portimonense. Fabrício fez golo e decidiu tudo.

- -

OUTROS DESTAQUES

Brayan Riascos

O mais perigoso, o mais forte, o mais rápido. O melhor do lado do Nacional. Capacidade física impressionante, mas clara evolução também no aspeto técnico. Bem a segurar e a soltar, como fez uma vez com João Victor, só para o colega estragar a jogada que tanto prometia. Pormenor importante: não esteve bem no remate, particularmente em três momentos. A bola saiu sempre rasteira e ao lado.

Luquinha
O debutante do lado algarvio obrigou Daniel Guimarães à melhor defesa da tarde, a meio do segundo tempo. Numa equipa com tão poucas ideias, a luz intermitente do brasileiro acabou por ser uma das melhores novidades em Portimão. Mostrou nível para aparecer mais vezes nas opções de Paulo Sérgio.

Daniel Guimarães
A defesa fantástica aos 56 minutos, num remate muito forte de Luquinha, valeu-lhe a entrada nestes destaques. O resto do jogo foi surpreendentemente tranquilo.

Rúben Micael
A bola sai sempre redondinha do pé direito do médio de 34 anos. Ritmo médio/baixo, é verdade, mas muita qualidade no posicionamento e no passe. Nos momentos em que o Nacional teve mais bola, Rúben foi fundamental.

Lucas Possignolo-Maurício
Com tanta desinspiração no processo ofensivo, os centrais do Portimonense foram-se tornando protagonistas. Pela solidez, pela confiança, e pelo arrojo em alguns momentos da segunda parte, quase sempre em bola parada.