O treinador do Benfica, Bruno Lage, em declarações na conferência de imprensa após o jogo com o Famalicão, na Luz, que as águias venceram por 4-0:

[Se tivesse de apostar, apostava num Benfica campeão?] Não aposto nada. Consegui ganhar um campeonato com sete pontos de atraso. Fizemos muitas coisas positivas. Isto é um caminho. A época é muito longa, acontecem altos e baixos e a nossa tarefa como treinadores é manter sempre isto, sermos consistentes. Aposto tudo é no meu trabalho. 

[Benfica é a equipa com mais argumentos para ser campeã?]

É a cada momento. a nossa vida vive de momentos. Há dez dias, depois do jogo da Covilhã estávamos a comer a sopa tristes. Depois, aparece a euforia. Tivemos cerca de seis semanas em que não estivemos a jogar bem, mas tínhamos de estar tranquilos. Agora a tranquilidade mantém-se. Se tivermos todos os jogadores disponíveis, a equipa pode jogar desta maneira. O Caio entrou e marcou, o Jota entrou bem, o Seferovic… ter todos disponíveis para no fim olharmos para o momento, o jogo e escolher um onze.

[Porquê as diferenças do Benfica no campeonato e na Liga dos Campeões?]

Tirando o primeiro jogo, o Zenit e o do Lyon…algumas opções não estavam disponíveis. Se recuarem, na primeira jornada não tínhamos tantas soluções disponíveis. A nossa forma de trabalhar é dar uma resposta a cada momento. Não há ‘ses’, temos de viver o momento. Às vezes fazemos um bom treino e dois dias depois não fazemos um bom jogo.»

[Sobre se precisa de rodar nos dois jogos das taças que aí vêm] Não. Com quatro dias de intervalo não, há tempo suficiente para recuperar física e mentalmente. Há dois fatores: a confiança dos jogadores e o resultado. O primeiro é fundamental, a equipa mesmo não saindo com resultado.»

[Artigo atualizado: hora original, 20h51, 14-12-2019]

Luís Pedro Ferreira / Estádio da Luz, Lisboa