Paulo Sérgio, treinador do Portimonense, analisa a vitória no reduto do Benfica (0-1), inédita na história do duelo entre os dois emblemas:

«O Samuel chegou a ser falado, ainda na época passada, para outros voos, clubes de outra dimensão, cá dentro e em Itália, creio. Isso foi público, não cometo nenhuma inconfidência. É um jovem com 23 anos, com um potencial muito grande. Os jogos vão torná-lo ainda melhor. É fortíssimo nos postes, muito concentrado dentro da baliza. De uma forma natural os jogos vão dar-lhe o que lhe falta, que é mais tranquilidade a jogar com os pés, que é algo que ele faz muito bem nos treinos, mas nos jogos às vezes não faz o que eu pretendo. Recordamos o Ederson, que passou por aqui, pelo Benfica, e eu vejo o Samuel a jogar com qualidade no treino, mas no jogo não faz o mesmo. Na baliza é um monstro. Tem tudo para dar o salto brevemente.»

[sobre as ambições do Portimonense nesta Liga e a estratégia do clube] «Há uma aposta muito clara no scouting que é feito fora do país, sobretudo em países de pequena e média dimensão, mas também empréstimos de clubes grandes do Brasil, por exemplo. E também talentos nacionais, como tivemos o Beto, e agora o Relvas. Temos também o Fali. Temos de trabalhar com a matéria prima existente e encontrar soluções. Quando cheguei tinha o Jackson com problemas físicos, o Vaz tê também, em final de carreira. Precisava de um miúdo para a frente, e fomos buscar logo o Beto.»

«Neste momento, se olharmos para o nosso plantel, existe muito isto. Temos uma equipa muito compacta, estamos muito bem servidos na baliza, com quatro guarda-redes de topo. Podemos vender o Samuel que estamos muito bem servidos de guarda-redes. Temos também uma defesa compacta, com miúdos a querer aparecer. Temos um bom conjunto de médios, com qualidade e de trabalho. No ataque estamos um pouco verdes, com a saída do Beto. Temos um miúdo com 21 anos e outro com 19, que têm características diferentes do Veto. O Ivan Angulo está a adaptar-se muito bem, e vem acrescentar. Temos o Anderson, que também procura a sua afirmação. E temos o Aylton, mais experiente. Onde é que nos falta alguma consistência? Penso que será no ataque. Temos também o Fabrício, mas com o tempo e com o trabalho vamos ter a afirmação destes jogadores, como tivemos de outros. Isso permitira sonhar com o quê? Temos de manter os pés no chão, o campeonato vai ser muito duro. Há equipa com poucos pontos que têm muita qualidade. Não podemos adormecer. Agora vamos ter a Taça de Portugal, temos de respeitar a Oliveirense. É assim que vamos fazer o nosso caminho. O grupo acredita em si, mas ninguém quer estrelas.»

Nuno Travassos / Estádio da Luz, em Lisboa