Júlio Velázquez, treinador do V. Setúbal, em declarações na sala de imprensa do Estádio do Bessa, após a derrota por 3-1 frente ao Boavista, em jogo da 27.ª jornada:

«Não gostei do nosso jogo, sinceramente. Temos de ter equilíbrio em todos os momentos. Tivemos muita descontinuidade competitiva, podia acontecer qualquer coisa, mas tínhamos como objetivo mínimo conquistar um ponto. Penalizou-nos algum défice de atenção em alguns momentos, sobretudo nos dois primeiros golos. 

Na primeira parte fomos superiores no número de pontapés de canto, livres e ataques, mas o futebol é eficácia. Faltou-nos equilíbrio e ter uma melhor entrada no jogo. Eles entraram melhor e sem fazer nada mais do que nós marcaram. Os golos deles são claramente erros nossos. Faltou-nos concretizar algumas das ocasiões que tivemos. Foi um jogo muito estranho. Saio chateado pela descontinuidade competitiva da equipa. O facto de não termos sido constantes penalizou-nos e impediu-nos de ganhar um ponto.»

[Preocupa-o a fase sem triunfos?]:

«Não. Com as possibilidades que temos, acho que devemos ficar orgulhosos da vantagem que temos para a zona de descida. Analisamos jogo a jogo e gosto de ser coerente e racional nas minhas análises. Podia aproveitar a pergunta anterior para dizer que gostei do jogo, mas não. Não estou contente. Não há preocupação. Jogaram-se jogos antes do isolamento que nada têm que ver com os jogos agora. Fizemos três jogos depois do isolamento. Na primeira do jogo da Madeira não estivemos bem, mas melhorámos na segunda parte e somámos um ponto. No outro dia, fizemos de tudo para ganhar e empatámos, mas fizemos um jogo completo. Hoje tivemos muita descontinuidade competitiva. Fizemos coisas boas e outras coisas muito más.»

Vítor Maia / Estádio do Bessa, Porto