Bruno Lage acredita que são vários os fatores que têm contribuído para que as exibições do Benfica esta época estejam a ser mais irregulares do que na época passada.

Questionado se as várias lesões que têm assolado o plantel são a principal causa para que a equipa não consiga manter regularidade, o técnico das águias diz que essa é apenas uma das causas.

«São vários pontos. A situação do relvado não ajuda, tal como a de vários jogadores importantes não estarem presentes. Quando pudermos contar com todos seremos cada vez mais fortes. Mãs não nos lamentamos, temos de arranjar soluções. Estas situações acontecem em todas as equipas do mundo. Já me aconteceu nos três anos em que trabalhei com o Carlos Carvalhal em Inglaterra», começou por dizer.

Na sequência, o treinador das águias apontou para a exigência do «futebol moderno», que obriga as equipas de alto nível a jogar muitas vezes num curto espaço de tempo.

«A quantidade de jogos que se fazem com um tempo de recuperação muito curto entre jogos também traz problemas. Hoje a questão está virada para a questão de oferecer um espetáculo e pouco para que prevaleça a saúde do atleta», acredita, apontando uma possível solução.

«Se houvesse possibilidade de fazer jogos de quatro em quatro dias, com três dias de intervalo, seguramente que metade das lesões não aconteciam. Mas não há essa possibilidade. Os jogos têm de acontecer em função das horas, do espetáculo e do público. Faz parte do que é o futebol moderno e nós não nos podemos lamentar com isso», resume.

Ainda sobre o relvado, que o treinador assumiu após o jogo com o Lyon não estar nas melhores condições, Lage aponta os principais problemas.

«Não podemos esconder o que é visível. O problema foi detetado no jogo de apresentação e o relvado nunca conseguiu contrariar. Isso nota-se na circulação da bola, porque este é um relvado mais pesado que nos leva a ter um maior desgaste físico. Além disso, tem-nos tirado jogadores como o Chiquinho e o Rafa», realça.

Adérito Esteves / Centro de treinos do Benfica, Seixal