Jorge Jesus assumiu, após o dérbi deste sábado, que lançou Paulo Oliveira no «onze» a pensar em Jonas, ainda que Rúben Semedo também apresentasse algumas limitações físicas. Jonas acabou por ficar na bancada, também devido a lesão, mas Paulo Oliveira justificou rasgados elogios, ainda assim.

«O Rúben teve um problema no último treino. Clinicamente não sei bem definir, mas saltou-lhe o braço, deslocou a omoplata. Não sei como explicar isto clinicamente», começou por dizer o técnico leonino.

«Para além disso já tinha trabalhado o Paulo durante a semana. Foi um pormenor que me deu ainda mais segurança para a decisão, para ter um jogador a cem por cento. Achava que ia jogar o Jonas. O Paulo, nos espaços curtos, é muito mais rápido do que o Semedo. Tem um centro de gravidade maior, e face às características do Jonas, quando ele baixasse para ir buscar jogo, o Paulo seria mais ágil a reagir. Com o Rafa senti que as coisas iam estar ainda mais facilitadas, e o Paulo foi um dos bons jogadores que o Sporting teve. Quase todos estiveram a um nível superior, mas o Paulo esteve soberbo», elogiou Jesus.

Nuno Travassos