O Desportivo das Aves não vence há dez jogos e deu mais um passo em falso rumo ao abismo. Aliás, na primeira jornada em que ficou em risco matemático de despromoção imediata (perante eventual triunfo do Marítimo), a equipa avense falhou redondamente e provou que tem poucas condições para lutar por um lugar na Liga. O vizinho Moreirense percorreu seis quilómetros na EN 105 para garantir o triunfo com um golo solitário de Fábio Abreu, ao minuto 52 (0-1).

Nuno Manta Santos dá voltas e voltas para encontrar um onze altamente competitivo e capaz de escapar ao seu destino. Após o empate caseiro com o FC Porto, a melhor notícia num ciclo de nove jogos sem ganhar, o técnico chegou a garantir que a sua equipa era f….., mas o palavrão não encaixa numa formação sem argumentos para vencer ou marcar, sequer, um golo.

FILME E FICHA DE JOGO

Desta vez, o Desportivo das Aves apresentou-se num 4x4x2 clássico, com os velocidades José Varela e Rúben Macedo no apoio à dupla formada por Mohammadi e Pedro Soares. Os locais queriam assumir a iniciativa de jogo mas foi o Moreirense, bem mais tranquilo, a dispor da primeira oportunidade clara de golo: Fabio Szymonek saiu mal a um cruzamento, Filipe Soares desviou para a baliza (com o braço?) e Diakhité esforçou-se para evitar o 0-1.

O Moreirense, com um 4x3x3 bem arrumado e confortável na tabela classificativa, vacilava apenas na linha mais defensiva, onde Rosic e Iago Santos sentiram algumas dificuldades para contrariar a força de Pedro Soares e a técnica de Mohammadi. O jovem português disparou para defesa de Mateus Pasinato ao minuto 15 e o iraniano atirou ligeiramente ao lado já a caminho do intervalo, demonstrando uma vez mais a falta de eficácia das unidades ofensivas avenses.

O Desportivo das Aves, contas feitas, esteve mais perto do golo ao longo da etapa complementar. Porém, nunca demonstrou segurança e firmeza nas suas ações, deixando transparecer o temor pela provável despromoção. Aproveitando a intranquilidade contrária, o visitante chegaria mesmo à vantagem, nos minutos iniciais da segunda parte, com Fábio Abreu a aproveitar um grande trabalho de João Aurélio para marcar pelo segundo jogo consecutivo. 12.º golo da Liga para o avançado angolano.

Marius entrou ao minuto 64 para alargar a frente de ataque dos locais e procurou mostrar serviço. Não conseguiu corresponder a um cruzamento de Mohammadi, que passou para o lado esquerdo, cabeceou com pouco perigo após solicitação de Yamga na direita e embrulhou-se com a bola a passe de José Varela, ao minuto 74. Pouco para uma equipa que tentava fugir do buraco negro. Um remate ligeiramente ao lado de Zidane Banjaqui, já na reta final, foi o melhor que o Aves conseguiu fazer até ao derradeiro apito.

Vítor Hugo Alvarenga / Estádio do Desp. Aves, Vila das Aves