Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, em declarações na sala de imprensa do Estádio do Dragão, após a goleada por 4-0 frente ao Vitória de Setúbal, em jogo da segunda jornada da Liga:

«Não houve resposta nenhuma. Fizemos um excelente jogo. Entrámos muito concentrados e rigorosos. Prevíamos que o adversário apresentasse uma estrutura diferente do habitual e estávamos preparados. 

No entanto, mais importante do que o adversário, era a forma como íamos encarar o jogo. Desde o primeiro minuto que houve grande empatia entre público e equipa. Foi fantástico sentir que todos remaram para o mesmo lado.»

«Claro que esta vitória não deixa todos os adeptos contentes, são exigentes. Estamos aqui para encarar as coisas de frente. Agora vamos preparar o próximo jogo, queremos ganhar.»

«São três pontos que ganhámos e que fazem parte do andamento normal de uma equipa como o FC Porto. O momento não era bom até ao fim do último jogo. Tivemos estes dias para preparar o jogo e a equipa deu a resposta que tinha de dar.»

[O que significam os golos apontados pelos reforços?]:

«Na flash interview disseram-me que a equipa baixou de intensidade na segunda parte. Há várias formas de controlar o jogo. Somos equipa que gosta de olhar para a baliza constantemente, somos verticais. Sabemos que espaço devemos, no fundo, pisar de forma mais ligada. Mas nunca deixamos de olhar para a baliza contrária. Não gosto de posse de bola passiva, quero que essa mesma posse abre espaços na equipa adversária.

Houve momentos em que estivemos muito bem e houve momentos em que defensivamente houve alguma falta de atenção. Não me estou a referir aos jogadores da linha defensiva, mas aos avançados e aos médios. Há jogadores novos que chegaram há pouco tempo e, para quem entende o jogo, sabe que há uma ou outra lacuna que temos, mas que vamos melhorar com trabalho. Reconheço as coisas boas que fizemos e a espaço as coisas boas que não fizemos.»

[Ausência do Saravia da ficha de jogo]:

«[Vocês] têm razão, não veem o dia-a-dia. Mostrámos pouco os treinos, dou-vos razão. O último jogo não é fundamental para o jogo seguinte. O jogo é mais um fator na preparação para o jogo seguinte, mas há outras coisas.»

 

Vítor Maia / Estádio do Dragão, Porto