Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, em declarações na sala de imprensa do Estádio do Dragão, após a vitória por 3-0 ante o Famalicão, em jogo da 8.ª jornada da Liga:

«Fomos uns justíssimos vencedores. Não é por acaso que ao final de sete jornadas o Famalicão estava em primeiro. Algo de bom se passa, além da qualidade individual. O Famalicão tem princípios muito interessantes. Percebemos onde estava a força do seu processo ofensivo. Condicionamos essas situações onde eles têm verdadeiramente qualidade e bloqueámos muito do seu processo ofensivo. A partir daí partimos para um jogo, não tranquilo, porque podíamos ter feito mais golos, mas para um jogo convincente. Os jogadores estão de parabéns pelo que fizeram e pela forma como interpretaram a estratégia.»

[Este foi um dos melhores jogos do FC Porto]:

«Disse que faltou algum prazer no jogo [com o Rangers]. Os jogadores olharam para a estratégia e esqueceram-se de desfrutar do jogo. Até falei no sexto momento: o momento do talento natural e da imprevisibilidade. Foi um jogo muito completo. Limitámos ao máximo o adversário e veio ao de cima a qualidade coletiva e individual.»

[Ausência de Marega]: «Olho para a estratégia, para o plantel e para quem está em condições para definir o onze inicial. Quando digo condições digo em todas as vertentes: técnicas, físicas, táticas, emocionais, tudo o que vocês sabem.»

[Este é o sistema mais indicado para o FC Porto]:

«Qual sistema? O 4x3x3? O Díaz juntava-se muito ao Tiquinho. Por norma, o Mbemba não subia tanto e era o terceiro homem da primeira linha. Sim, percebi que era necessário porque achava que o ponto forte do Famalicão vive muito desse inicio de construção. Depois de chegar à linha média, o Famalicão tem jogadores com qualidade. Bloqueámos essa forma de sair do Famalicão, alterando um bocadinho o primeiro momento de pressão. Os nossos alas costumam ficar por dentro e um dos médios sair na pressão, hoje foi diferente. O Famalicão tem qualidade nesse primeiro momento e percebemos que, não só nessa primeira linha e no equilíbrio do meio-campo, era preciso ter mais um homem no corredor central.»

 

Vítor Maia / Estádio do Dragão, Porto