Figura: Joel Tagueu

O camaronês esteve pouco em jogo, funcionando quase sempre como apoio para a construção apoiada do Marítimo. Teve, por isso, poucas oportunidades de se mostrar. No entanto, uma foi suficiente: fugiu a Fabiano e Ricardo Costa, driblou Helton Leite e marcou. Celebrou, parou e voltou a celebrar três minutos depois quando o VAR validou o lance. Fez o que lhe competia, resolveu e marcou quiçá o golo mais importante da temporada do Marítimo.



Momento: Boavista perdeu uma das torres no tabuleiro, 44m

Em dois minutos, Fabiano viu dois cartões amarelos na sequência de duas entradas imprudentes (a segunda à entrada do seu meio-campo, no corredor lateral) e deixou o Boavista com dez elementos. Os axadrezados perderam uma das suas torres quando ainda faltava jogar meia parte.

Outros destaques:


Fabiano: estava a assinar uma exibição de gala até ter deitado tudo a perder em dois minutos. O defesa brasileiro viu dois cartões amarelos por duas faltas duras e foi expulso, hipotecando as hipóteses dos axadrezados vencerem o Marítimo. No entanto, o «alemão», como é conhecido, fez 44 minutos interessantes, sobretudo com a bola no pé. É justo reconhecer que mais nenhum defesa do Boavista se sente tão confortável com a bola no pé como Fabiano.

Milson: deixou água na boca na estreia a titular na Liga. Com apenas 33 minutos somados no campeonato, o extremo de 20 anos foi a surpresa na equipa titular de José Gomes. O angolano não podia pedir melhor: assistiu Joel para o 1-0 e ficou perto de um belo golo no arranque da segunda parte. Milson foi, portanto, decisivo.

Helton Leite: após uma exibição aquém na Luz, o guarda-redes brasileiro mostrou-se em excelente plano ante o Marítimo. Helton voltou, no fundo, a mostrar as qualidades que o consolidaram como um dos bons guardiões da Liga. Não foi uma nem duas: foram três as defesas sensacionais de Helton a impedir que o Boavista perdesse por mais. 
 

Vítor Maia / Estádio do Bessa, Porto