A FIGURA: Filipe Augusto

O médio brasileiro ex-Benfica e Valência fez uma exibição em busca da felicidade. Mostrou segurança na zona central do meio-campo, mesmo durante uma primeira parte e que o Portimonense esteve por cima. Na segunda, foi determinante para o domínio do Rio Ave. Até que acabou o jogo da melhor forma: com o golo da vitória, em cima dos 90 (o quinto esta época). Um golo olímpico, a meias com o vento, que valeu um triunfo importante na luta pela Europa.

--

O MOMENTO: minuto 90. A reviravolta num sopro

Um dos momentos do jogo é a longa paragem de cerca de oito minutos que valeu o penálti do empate ao Rio Ave. Porém, o momento mais decisivo é a consumação da reviravolta num sopro. Pelo insólito, também: um golo olímpico ao minuto 90. Não é todos os dias. Com a ajuda do vento e a valer três pontos, ainda menos.

--

OUTROS DESTAQUES:

Mehdi Taremi

14.º golo na Liga. De penálti, é certo. Mas a verdade é que Taremi não treme. Mesmo nos jogos em que não brilha, acaba por ser decisivo, como foi o caso hoje.

Aderllan Santos

Um corte que valeu um golo em cima do intervalo, após remate de Rômulo, bastaria para salientar a relevância do central brasileiro, que sobretudo na primeira parte teve muito trabalho no eixo defensivo, a par de Borevkovic.  

--

Lucas Fernandes

Jogou mais descaído sobre o flanco esquerdo do ataque e causou particular perigo com os cantos batidos por esse lado. Não é por acaso que desperta a cobiça do Marselha de André Villas-Boas.

Vaz Tê

Perigoso de cabeça. Surgiu oportuno aos 6m a inaugurar o marcador. Durante a primeira parte teve mais um par de ocasiões. Não é o melhor Jackson, mas tem competência para ser uma referência do ataque da equipa de Paulo Sérgio

Bruno Tabata

Habilidade tem de sobra. Sobre a direita foi um quebra-cabeças para defesa do Rio Ave. Rematou com perigo, mostrou velocidade de execução e nos cantos sobre a direita mostrou-se decisivo. Como aos 6m, ao colocar a bola na cabeça de Vaz Tê.

Sérgio Pires / Estádio dos Arcos, em Vila do Conde