Durante o jogo que ditou a eliminação da Taça do Brasil contra o Athletico Paranaense, os adeptos do Flamengo gritaram por Jorge Jesus. Em final de contrato, o técnico dos encarnados foi questionado sobre um possível regresso ao gigante carioca.

Jesus admitiu que ficou «satisfeito» com as imagens que viu do Maracanã, mas não respondeu concretamente à pergunta. O treinador das águias lembrou que «vive de resultados» e que «a mala está sempre feita à porta».

«Já calculava que me fossem fazer essa pergunta. O importante é que sou treinador do Benfica. O Benfica e eu temos objetivos bem definidos. Quero que a águia possa voar alto para que possamos estar próximos de conquistar os títulos a que nos propusemos. Não posso fugir desse pensamento. O meu pensamento é o Benfica hoje, amanhã e todos os dias. Penso em como podemos melhorar», começou por dizer, na conferêcia de imprensa de antevisão ao jogo com o Estoril.

Agora, se me perguntar se fico satisfeito por ver um clube do qual sai a acarinhar-me, só se fosse insensível. Como não o sou, aquelas imagens tocaram-me. Não admito regresso nenhum [ao Flamengo]. Acabo contrato, estou sempre a dizer que a minha mala está feita à porta. O treinador vive de resultados. Os resultados é que definem as carreiras e os momentos do treinador. O importante para mim é o Benfica. É a minha casa, voltei com um objetivo bem definido. O meu futuro? Não sei, dependo de resultados», acrescentou.

[artigo atualizado]

Rafael Vaz / Benfica Campus, Seixal