Declarações do treinador do Paços de Ferreira, Jorge Simão, na sala de imprensa do Estádio Capital do Móvel, após a derrota por 2-1 ante o V. Guimarães, em jogo da 13.ª jornada da I Liga:

«Primeira parte fomos melhores, fizemos um golo. Segunda parte, o Vitória melhor, fez dois golos. Ao intervalo, todas as sensações eram boas. Estávamos com boa dinâmica, boa circulação de bola, marcámos dois golos, mas só contou um e, na segunda parte, acho que o pormenor decisivo acaba por ser os dois avançados [ndr: Bruno Duarte e Estupiñán] e tivemos dificuldade em lidar com esse maior poder físico e presença na área que o Vitória nos colocou.»

«Tivemos menos capacidade para segurar o jogo, baixámos um pouco as linhas. É mérito do adversário, que obrigou a passar por dificuldades. Ainda assim, o jogo foi-se arrastando e acaba por ser penalizador sofrer um golo nos minutos finais. Mostrámos uma boa reação, ainda conseguimos criar uma ou outra situação. Parece que a história se repete com esta viragem do resultado.»

[Derrotas com reviravolta:] «É motivo de ponderação, de análise. Nós analisamos e falamos sobre isso. Às vezes nem convém bater muito nessa tecla, porque parece que estamos a premeditar coisas que vão acontecer. Mas há parte de mérito do adversário, seguramente razões de nossa responsabilidade e minha, como treinador, acima de tudo. Objetivamente, nada para dizer: cada jogo é um jogo, num foi por um motivo, noutro por outro e é difícil fazer uma análise superficial de um conjunto de jogos.»

[Se ainda assim é uma equipa à sua imagem:] «Nos 45 minutos da primeira parte sim, sem dúvida. O jogo mudou depois do intervalo. A primeira parte, sem dúvida. Está ali. É isto. Depois, por umas razões ou por outras, consoante a história dos jogos, as coisas foram mudando, mas a primeira parte sem dúvida. É aquilo.»

Ricardo Jorge Castro / Estádio Capital do Móvel, Paços de Ferreira