Alguma emoção, mas pouco futebol.  

Paços de Ferreira e Arouca não saíram do nulo – nem poderia ser de outra maneira. O jogo teve uma expulsão, quatro alterações forçadas, enfim. Faltaram os golos para dar cor a uma tarde que começou com sol e acabou cinzenta.

Os castores entraram com uma boa atitude: a dominar a bola e a pressionar alto o Arouca quando não a tinham. Por outro lado, os arouquenses, penúltimos da Liga, exibiram dificuldades para sair sob pressão. No entanto, a equipa de Evangelista soube aproveitar os espaços no contra-ataque e criou as melhores ocasiões para marcar na primeira parte.

Primeiro Quaresma a erro de Baixinho (saiu lesionado) e Pedro Moreira, na sequência de um livre batido de forma rápida a meio-campo, viram André Ferreira brilhar. O guarda-redes dos pacenses travou o lateral-esquerdo com um desarme de uma eficácia tremenda – qual defesa – e depois, candidatou-se à melhor defesa do ano com um voo sensacional.

Entre alguns passos simples errados, o Paços de Ferreira consegui chegar ao último terço. Porém, falhou quase sempre na ligação a Hélder Ferreira, Denílson e Lucas Silva, os homens do trio da frente. Por isso, não criou nenhuma situação de golo iminente.

O Arouca, quase que em pezinhos de lã, ainda ameaçou o 0-1 antes do intervalo, mas André Ferreira evitou o golo de Arsénio. O nulo ao intervalo penalizava claramente os arouquenses que, não jogando de forma tão elaborada, eram a equipa mais capaz de criar situações de finalização.

Já sem o lesionado Eustáquio, a segunda parte começou como acabou a primeira: com uma oportunidade a favor do Arouca. Invariavelmente, André Ferreira – porventura a exibição de afirmação como dono da baliza do Paços – evitou com a luva direita o golo de André Silva.

O jogo mudou aos 57 minutos com a expulsão de Nuno Santos por acumulação de cartões amarelos. Inexplicavelmente, o Paços de Ferreira ficou mais confortável no jogo, defendeu melhor e só permitiu uma oportunidade ao Arouca – o lance nem valeu por posição irregular.

Como um azar nunca vem só, os castores perderam mais dois jogadores por lesão, além de Eustáquio e Baixinho. Diaby, que tinha entrado ao intervalo, saiu com queixas numa coxa tal como Antunes.

Por outro lado, Evangelista foi refrescando as posições do meio-campo e do ataque. Quiçá fosse exigido um pouco mais de risco. É verdade que o Arouca carregou, acumulou aproximações à baliza contrária, mas só por uma vez ameaçou o triunfo. Pité rematou na área e André Ferreira segurou um ponto para o Paços.

Veremos se estes dois pontos perdidos pelo Arouca não vão fazer falta nas contas pela permanência.

 

Vítor Maia / Estádio Capital do Móvel, Paços de Ferreira