FIGURA: Diaby

Exibição completa do médio do Paços de Ferreira, em contraste com o desfecho. Jogou e fez jogar a equipa, ligando de forma harmoniosa e eficaz os setores dos pacenses. Na primeira parte, destacou-se pelos duelos ganhos perante os homens do V. Setúbal, lançando os ataques mais perigosos da equipa da casa. A abrir a segunda parte, fez o golo para o 1-1 no marcador e continuou a manter bons índices exibicionais, pese a cambalhota adversária no resultado.

MOMENTO: Hildeberto para a reviravolta feliz e que interessou (78m)

O jogo estava em total expectativa para os minutos finais, quando uma bola enviada para a grande área ofensiva do Vitória de Setúbal resultou num remate de Hildeberto para o 2-3 final. O remate do extremo dos visitantes contou ainda com um desvio em Bruno Santos e traiu, involuntariamente, a ação do guardião Ricardo Ribeiro, incapaz de deter o último golo do jogo.

LEIA MAIS: toda a reportagem do P. Ferreira-V. Setúbal

OUTROS DESTAQUES

Hélder Ferreira: sem ter feito uma primeira parte brilhante, também não comprometeu na construção dos ataques – e foram vários – pelo lado direito. Fez por dar tempo e qualidade à posse de bola e, na segunda parte, assinou o momento da reviravolta do Paços. Após um desvio de Bruno Santos na área, ficou com a bola à mercê e teve calma e pontaria para a glória. Segundo golo da época, o primeiro pelo Paços no campeonato. Um golo, porém, em vão, fruto do que aconteceria na última meia hora.

Artur Jorge: entre alguma dificuldade do Vitória de Setúbal em sair a jogar pelo pé a partir da defesa, o central formado no Sp. Braga foi o homem mais recuado que deu maior segurança à equipa nos momentos de maior aperto. Conseguiu cortar cruzamentos importantes para a área defensiva e ainda incomodou à frente, dispondo da única e melhor ocasião dos visitantes quando havia ainda 0-0.

Hildeberto: deu origem ao primeiro golo do Vitória de Setúbal com o cruzamento para a área e, já depois de ter ensaiado a reviravolta sadina com um cabeceamento para a defesa do jogo, protagonizada por Ricardo Ribeiro, fez o remate decisivo para o resultado que deu os três pontos à equipa.

Guedes: entrada importante em campo, a coincidir com os dois golos do V. Setúbal que decidiram o jogo. Lançou Zequinha para o 2-2.

Luiz Carlos: tal como Diaby, assinou uma exibição valente a meio campo e aguerrida. Esteve na criação do golo da reviravolta, com um cruzamento bem executado para a área.

Zequinha: foi importante pelo golo do empate a duas bolas, sobretudo numa altura do jogo na qual o Vitória de Setúbal estava desarmado após a reviravolta conseguida pelo Paços de Ferreira.

Ricardo Jorge Castro / Estádio Capital do Móvel, Paços de Ferreira