Pepa, treinador do Paços de Ferreira, em declarações na sala de imprensa do Estádio Capital do Móvel após a vitória por 3-2 frente ao FC Porto, no jogo que abriu a sexta jornada da Liga:

«Sabíamos que tínhamos de ser muito organizados. Identificámos mais referências de pressão e fizemos isso muito bem. Conseguimos colocar em campo o tal critério que nos faltou outros jogos. Tivemos mais remates, mais oportunidades, mais cantos... Houve mais Paços e isso traduziu-se em golos e oportunidades. Definimos e acabámos as jogadas, isso tinha de dar em golos. E deu, com muito mérito nosso. 

Para mim a exibição é épica. Ao intervalo disse aos jogadores que, para mim estavam a ser uns heróis. Independentemente do que acontecesse na segunda parte. O que aconteceu na primeira parte foi vergonhoso. Fui expulso, o meu adjunto foi expulso. Somos humanos e vemos o que aconteceu. Foi vergonhoso. É bonito dizer que ganhámos e não falar nisso. Foi vergonhoso. Se calhar não devia ter dito o que disse depois de ser expulso e peço desculpa, mas não peço por sentir as coisas. 

Quero dedicar esta vitória às pessoas deste zona que estão a sofrer muito. Queriam estar aqui, mas não foi possível, mas certamente vibraram e ficaram orgulhosas do que os rapazes fizeram. Esta vitória é para elas e para os jogadores. 

Percebemos que íamos encontrar uma equipa muito bem orientada, com grandes individualidades e fomos iguais a nós mesmos. Melhorámos na definição, percebemos que tínhamos muito espaço no corredor contrário. O FC Porto é muito forte na pressão no corredor onde está a bola, por isso não podíamos simplesmente despachar a bola. Procurámos quem estava livre e saímos da pressão. Ficávamos sempre um para um ou dois para dois. Fizemos um jogo a roçar a perfeição. 

Revolta-me muito o que aconteceu. Fica a vitória, uma grande exibição com muita alma e qualidade, mas já foi. Não temos tempo para estarmos em bicos de pé. temos de recuperar bem e preparar o jogo com o Moreirense. Isto é uma maratona. Vamos analisar o que correu menos bem e valorizar o que fizemos bem. Não consigo perceber golo anulado e penálti assinalado ao FC Porto. Peço desculpa pela minha ignorância. É demasiado mau. Todos erramos, mas quando vemos as imagens... É injusto estarmos sempre a falar do mesmo. Peço desculpa pela atitude depois da expulsão. Quero valorizar o jogo épico que fizemos e que fica nas nossas memórias e na história do clube.

Depois conhecermos o onze do FC Porto, dei algumas indicações aos jogadores. Sabemos que é diferente jogar o Pepe ou o Leite. O Leite deixa a bola correr para fora para ligar dentro. O Hélder não podia estar na pressão ao Otávio, deixava para o Luiz Carlos para impedir que a bola entrasse dentro. Enquanto o Manafá estivesse no campo visual do Hélder, ele controlava-o. A questão da profundidade também requer muita atenção aos movimentos do Marega. Já quando ele vem em apoio, não vale a pena acompanhá-lo porque ele não é tão forte de costas.»
 

Vítor Maia / Estádio Capital do Móvel, Paços de Ferreira