Pepa, treinador do P. Ferreira, em declarações na sala de imprensa do Estádio do Dragão, após a derrota por 2-0 ante o FC Porto, no jogo que encerrou a ronda 12 da Liga:

«Excedi-me nos protestos. Não tenho problemas em admitir. Ainda não fui ao balneário do Tiago [Martins], mas peço desculpa pelos excessos.»

«Parabéns ao FC Porto pela vitória. Estivemos dentro do jogo sempre que possível. Sofremos o 2-0 no nosso melhor momento. Faltou-nos definir melhor no último terço. Penso que a exibição e a prestação foram boas, mas não marcámos e não levámos pontos.»

«A equipa não abalou com o golo sofrido. Não fizemos o que pretendíamos na primeira parte: sair da pressão forte do FC Porto pelos corredores. Conseguimos fazer isso na segunda parte e foi pena não termos feito golos quando estávamos por cima.

[Exibição condiz com a posição do P. Ferreira]: «Não, mas isto é feito de pontos. Não vivemos de vitórias morais. Saímos com zero pontos, mas com a certeza que tudo fizemos para que fosse diferente. Não procurámos o ponto ou o erro do adversário. Procurámos obrigar o FC Porto a errar.»

«Aproveito para dizer que jogámos com 10 jogadores que o ano passado estavam na Segunda Liga. É sinónimo de uma equipa que não se encolheu e que não teve receio. Depois o segundo golo do FC Porto é fantástico. Acontece uma vez em dez.

Não conseguimos evitar algumas situações do FC Porto. Ainda assim, eles tiveram duas ou três grandes oportunidades para marcar. No nosso melhor momento, no qual conseguimos sair da pressão com critério e procurar o corredor contrário, senti que tínhamos de fazer um golo para entrar no resultado e discutir o jogo. Depois do 2-0 senti que a equipa não teve capacidade para continuar como estava.»

Vítor Maia / Estádio do Dragão, Porto